Um Senhor Estagiário (The Intern)

*Texto originalmente publicado na POCILGA.

Na linha de frente com Robert De Niro (O Casamento do Ano) e Anne Hathaway (Interstelar) o novo filme da Nancy Meyers, “Um Senhor Estagiário (The Intern)“, além da ótima carta de apresentações e premissa interessante, possui algumas boas cenas e traz algumas risadas e diversão ao mesmo tempo que levanta discussões bastante pertinentes. Não é daqueles trabalhos imperdíveis e é um pouco extenso além do que deveria, tanto no tempo quanto nos temas que tenta conversar, mas acaba cumprindo o seu papel para quem quer assistir algo mais leve e descompromissado.

Na trama, um senhor de 70 anos (Robert De Niro) cansado da vida monótona e “sem propósito” de aposentado e viúvo resolve cair de cabeça numa oportunidade de estágio de sêniors que uma startup de sucesso está oferecendo. Assim que admitido ele é designado a ser estagiário da mulher que criou e faz tudo acontecer no site fashion de sucesso, Jules Ostin (Anne Hathaway). Além das idades muito distantes, ambos vão ter que lidar com o jogo da juventude x experiência ao mesmo passo que vão precisar se entender a qualquer custo.

O início de “Um Senhor Estagiário” é muito bom e divertido já que ele foca mais na dupla de protagonistas que conta com dois grandes atores – se bem que fiquei desconfiado que trocaram o De Niro por um mecatrônico muito do mal feito, afinal, ele repete a todo instante uma mesma expressão facial para praticamente todas as situações – e, seus personagens, claramente vão naquele jogo de desentendimentos e desencontros para tentarem se entender no final. A química dos dois é boa e alguns coadjuvantes bem encaixados ajudam a dar o tom da história que, apesar de estar atolada de clichês tanto quando a personagem Jules está de trabalho, acaba envolvendo o espectador de uma maneira positiva.

the-intern

Segura o tchan!

Nancy Meyers no entanto decide tentar sair um pouco do lugar comum das comédias e, dentre as discussões que levanta, conversa sobre importantes temas como o machismo, mas se enrola um pouco e não consegue sair de algumas amarras perigosas. Machismo, cavalheirismo, gentilezas (masculinas), a diretora (que também escreveu o roteiro do filme) se embanana um pouco, acerta em algumas passagens e erra em algumas outras ao tentar dotar sua obra de algumas (importantíssimas) discussões feministas.

Claramente “Um Senhor Estagiário” poderia ser um pouco mais curto e direto. Ao tentar conversar sobre tantos temas em sua metade final acaba ficando naquela linha tênue entre o descartável e o divertido. Algumas sequências como uma de “filme de assalto” (inserida a fórceps na trama, mas que vale pelas risadas) ou ainda algumas passagens mais emotivas e de “lições de vida e aprendizado” acabam fazendo a sessão valer a pena e, entre erros e acertos, o saldo acaba sendo levemente positivo.

 


Um-Senhor-Estagiário

Um Senhor Estagiário (The Intern, 2015 – 121 min)
Comédia

Um filme de  Nancy Meyers com Robert De Niro, Anne Hathaway, Rene Russo, Anders Holm, Jojo Kushner, Andrew Rannells, Adam DeVine, Zack Pearlman, Jason Orley, Christina Sherer e Natt Wolf.

 

 

Related Posts with Thumbnails

Author: Marcio Melo

Analista de Sistemas, amante da sétima arte desde os tempos imemoriais e com muito sangue nerd fervilhando em veias hipertensas, fundou o Porra, Man! com o intuito de comentar sobre cinema de forma descomplicada e fácil de entender. Nas horas vagas torce prum time que nunca vence e mata monstros que não existem.

Share This Post On

5 Comments

  1. To super querendo ver! Adoro a Anne =D 3 controlinhos é aceitável rsss

    Post a Reply
    • 3 Controlinhos é o tipo de filme que dá para assistir de boa, sem maiores pretensões ou expectativas 🙂

      Depois dê uma passada no novo projeto que estou iniciando com uma turma muito boa: http://pocilga.com.br

      😀

      Post a Reply
  2. Excelente!!
    De Niro e Anne estão muito bem e convencem.
    Garantia de boas risadas.

    Post a Reply
  3. Acho que sei no que você chama de “se embananar”, mas eu achei importante abordar a questão da mulher bem sucedida na carreira que acaba deixando a vida pessoal um pouco de lado e acaba sendo apontada por isso, como se ao pai fosse permitido trabalhar e não ver os filhos dormir ou acompanhá-los na festinha da escola, mas as mães, nunca. Mas, realmente, parte do desfecho disso fica uma ia e vinda boba.

    De qualquer maneira, é um filme leve, inteligente e divertido. A mim, surpreendeu.

    Post a Reply
    • Sim, ele levanta algumas questões interessantes mesmo apesar de tudo. Leve e divertido acho que é mesmo a melhor definição para ele.

      Post a Reply

Trackbacks/Pingbacks

  1. Crítica | Joker (2019) - Porra, man! - […] que é fã de um apresentador de show noturno Murray Franklin interpretado por Robert  De Niro (Um Senhor Estagiário)…

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.