Cinderela (Cinderella)

A história de uma garota que após perder os seus pais fica à mercê da sua cruel madrasta e suas tão horríveis quanto filhas e que, certo dia, encontra um príncipe charmoso e vai a um baile real (para revê-lo e dançar com ele) numa carruagem criada a partir de uma abóbora por sua fada madrinha e que, na correria para ir embora antes do feitiço terminar acaba deixando um de seus sapatinhos de cristal cair, nada na história da “Cinderela” é mais novidade. Recontar o clássico conto de fadas em ‘live action’ (com atores reais) sem seguir a tendência atual de subverter ou ‘reinventar’ a história é que é, de certa forma, a novidade na produção da Disney.

Cinderella-2015-offical-stills-cinderella-37816256-5760-3840

O filme acerta em cheio já no início ao voltar um pouco no tempo e contar a história desde quando Ella (Lily James) vivia feliz com sua mãe (Hayley Atwell, “Capitão América  – O Primeiro Vingador“) e o seu pai (Ben Chaplin), e acompanha as duas maiores perdas de sua vida até chegar na parte em que ela praticamente se torna uma criada para a sua madrasta (Cate Blanchett, “O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos“) e suas meia-irmãs em sua própria casa. A força que ela encontra para aturar pessoas tão desprezíveis e cruéis vieram do ensinamento que sua mãe deixou para ela ser sempre corajosa e gentil, não importando o que vier a acontecer. Mantra que é repetido na história até a exaustão.

A direção de Kenneth Branagh é muito segura e ele soube trabalhar bem com o elenco que conta como grandes nomes como os de Cate Blanchett, que está ótima como a madrasta malvada, e ainda o de Helena Bonham Carter que aparece pouco mais rouba a cena fazendo a fada madrinha. Na linha de frente temos a Lily James que mesmo não possuindo uma beleza de colocar um reino sob os seus pés interpreta muito bem a Cinderela, mostrando não só o seu lado mais ‘doce’ e ‘gentil’ como também a sua gana e coragem quando se faz necessário. O papel do príncipe charmoso ficou com Richard “KING OF THE NORTH!” Madden que segue o protocolo padrão esperado para o seu tipo de personagem.

Cincerella

A história é a mesma e segue um caminho que quase todos já conhecem (temos que excluir alguns que, por exemplo, são alienígenas), mesmo assim, apostando no básico e não dando margem para muitas invenções, “Cinderela (Cinderella)” é um belo acerto da Disney que consegue resgatar toda a magia de um dos mais conhecidos contos de fadas e que de quebra, muito provavelmente, marcará o início de uma “nova tendência” nos cinemas.

***

  1. Sério, toda vez que Richard Madden aparecia em cena eu queria gritar no cinema: “King of the North!!!”
  2. Segundo a atriz Lily James, o sapatinho de cristal não encaixava em seu pé. Eles foram adicionados posteriormente via CGI.
  3. O curta, que passa antes do início filme, “Frozen: Febre Congelante” é sensacional e já faz valer toda a sessão.

 


cartaz-cinderela-2015-filmeCinderela (Cinderella, 2015 – 105 min)
Fantasia, Romance, Drama.

Dirigido por Kenneth Branagh com roteiro de Chris Weitz. Estrelando: Lily James, Cate Blanchett, Richard Madden, Helena Bonham Carter, Nonso Anozie, Stella Skarsgård, Sophie McShera, Derek Jacobi, Holliday Grainger, Ben Chaplin e Hayley Atwell.

Related Posts with Thumbnails

Author: Marcio Melo

Analista de Sistemas, amante da sétima arte desde os tempos imemoriais e com muito sangue nerd fervilhando em veias hipertensas, fundou o Porra, Man! com o intuito de comentar sobre cinema de forma descomplicada e fácil de entender. Nas horas vagas torce prum time que nunca vence e mata monstros que não existem.

Share This Post On

7 Comments

  1. Depois do curta de Frozen eu também pensei isso, o filme nem precisava ser bom que já tinha valido a pena a sessão.

    Post a Reply
  2. “King of the North!!!”, rsrsrsrs. Que bom que aqui não tem casamento vermelho. :p

    Post a Reply
    • Sorte mesmo, até porque eu já estava muito tenso temendo pela vida da linda e fofíssima família dos ratinhos com aquele gato malvado na casa, imagine um casamento vermelho!

      Post a Reply
  3. Achei o filme bem sem sal, como já seria natural pela história e gênero que trata. Não há nada que tenha sido trazido aqui que tenha valido a pena esse retorno. Se fosse algo como o Alice do Burton (na idéia, não necessariamente na execução), sim, seria interessante, mas contar quase a mesma coisa sem praticamente acrescentar nada deixou uma impressão ruim para mim.

    Post a Reply
    • Pra mim foi justamente o contrário, acho que se centrar no básico foi o maior acerto, e é um conto clássico infantil (?) que conta ainda com toda a “magia da Disney”.

      Post a Reply
  4. Uia!!! =D Eu achei super bacaninha e bem feito, com clichezinhos de sempre e mesmo exaustivamente repetido o lema do filme é bacana =D

    Post a Reply
    • Isso Chell, são poucas as histórias e contos que conseguem se manter ‘vivos’ mesmo depois de contados, recontados e revistos inúmeras vezes. O filme se apoiar nisso foi o seu maior acerto.

      Post a Reply

Trackbacks/Pingbacks

  1. Orgulho e Preconceito e Zumbis e Mashups e Adaptações para o Cinema - POCILGA - […] James, a última Cinderela da Disney, vai interpretar Elizabeth Bennet e Sam Riley fará o Sr. Darcy. O elenco…

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.