X-Men: Dias de um Futuro Esquecido (X-Men: Days of Future Past)

A última chance de salvação não só dos mutantes mas também da raça humana está nas mãos de Wolverine que é enviado, sua consciência na verdade, num esforço conjunto dos X-Men para o passado a fim de mudar a história e prevenir que um evento resulte no fim dos tempos. É com essa premissa, que alia os ‘antigos e os novos  X-Men’ com o auxílio da viagem temporal, que Bryan Singer arruma o universo dos mutantes no cinema ao mesmo tempo em que deixa o caminho aberto para novos rumos bastante promissores.

O vasto universo dos X-Men, sejam nos desenhos, quadrinhos ou nas telonas, sempre foram muito fascinantes devido a forma como ele consegue conversar sobre importantes temas filosóficos, sociais e políticos inerentes à nossa sociedade ao mesmo tempo em que divertem com suas dezenas de personagens carismáticos e interessantes. Como a franquia  ‘antiga’ dos mutantes tinha se encerrado de maneira não muito digna com “X-Men – O Confronto Final” a ideia da prequência com “Primeira Classe” foi bem aceita e quando lançada conquistou tanto a crítica quanto o público.

xmen - days of future past

Mas como ligar todos os acontecimentos já exibidos nos cinemas pela trilogia antiga (e ainda os lamentáveis filmes solo do Wolverine) com a turminha da nova geração? É aí que entra a coragem de Bryan Singer (e os demais responsáveis) com “Dias de um Futuro Esquecido” para arrumar todo esse universo um tanto quanto confuso de uma maneira semelhante ao que foi feito com a nova franquia de “Star Trek“, sem ofender e esquecer da turma antiga.

Unir tantos personagens em uma única aventura não parecia ser uma tarefa fácil, mas “Dias de um Futuro Esquecido” consegue dar o devido espaço para cada um dos heróis, e são muitos, muitos mesmo, ao mesmo tempo que se mostra um filme coeso e com um ritmo bom, ainda que o roteiro, devido logicamente a questão da viagem no tempo, deixe algumas lacunas abertas principalmente levando em consideração a tudo o que foi apresentado nos vários filmes lançados e também em algumas cenas pós-créditos exibidas. Mas nada disso chega a prejudicar muito já que o resultado é uma ótima aventura e a diversão é garantida.

As melhores cenas de ação estão com a turma do futuro, a luta envolvendo alguns personagens como Bishop, Blink, Mancha Solar, Apache, dentre outros, são muito bem coreografadas e envolventes. Pena que são poucas já que com a turma dos anos 70 temos arcos mais dramáticos e densos, ainda que apresente alguns personagens interessantes e muito importantes para trama como Trask interpretado por Peter Dinklage, o grande Tyrion de Game of Thrones.

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido - cena do filme.

Mesmo deixando a sensação de que poderia ter um pouco mais de ação, a trama envolvente e toda a habilidade demonstrada não só pelo diretor Bryan Singer como também por todo o elenco (mesmo a turma que só aparece poucos segundos em tela), ou ainda cenas espetaculares como a envolvendo o Mercúrio (Quicksilver) que foi tão épica quanto a do Noturno em ‘X-Men 2’, deixam a certeza que o universo dos mutantes está no caminho certo, principalmente levando em conta a cena exibida pós-créditos. Mais um blockbuster feito na medida para agradar tanto os fãs antigos como a galera mais recente, “Dias de um Futuro Esquecido” é daquelas produções que fazem valer e muito o seu tempo e seu dinheiro.

***

  1. Porque será que o único lugar que o Wolverine não funciona de forma espetacular é em seus filmes solo?
  2. Mercúrio também irá aparecer no segundo filme dos Vingadores, mas interpretado por outro ator (Aaron Johnson de Kick-Ass) e sem poder ser mencionado que ele é um mutante ou fazer qualquer referência ao Mercúrio de X-men. Isso foi acordado após uma briga judicial pelos direitos do personagem envolvendo a Fox e a Marvel.
  3. Sim, ele é filho do cara.

XMEN_PôsterLançamento_64x94X-Men: Dias de um Futuro Esquecido (X-Men: Days of Future Past, 2014 – 131 min)
Super-Herói, Aventura

Dirigido por Bryan Singer com roteiro de Simon Kinberg, Jane Goldman e Matthew Vaughn. Estrelando: Hugh Jackman, Patrick Stewart, Ian McKellen, James McAvoy, Jennifer Lawrence, Michael Fassbender, Nicholas Hoult, Anna Paquin, Ellen Page, Shawn Ashmore, Halle Berry, Peter Dinklage, Omar Sy, Evan Peters, Josh Helman, Daniel Cudmore, Fan Bingbing, Adan Canto, Booboo Stewart, Lucas Till e Evan Jonigkeit.

Related Posts with Thumbnails

Author: Marcio Melo

Analista de Sistemas, amante da sétima arte desde os tempos imemoriais e com muito sangue nerd fervilhando em veias hipertensas, fundou o Porra, Man! com o intuito de comentar sobre cinema de forma descomplicada e fácil de entender. Nas horas vagas torce prum time que nunca vence e mata monstros que não existem.

Share This Post On

12 Comments

  1. AEEE!!! NICE!!! Vi ontem e ainda to empolgada =D

    Post a Reply
    • O filme já é para se empolgar, aí vem a cena pós-créditos para completar e deixar a gente ainda mais feliz e esperançoso com o futuro da franquia nos cinemas.

      Post a Reply
  2. também gostei, achei que deu uma corrigida na franquia, eu fiquei feliz de ver Ciclope e Jean novamente, eu tinha odiado ele ter morrido no Confronto Final e achei que ele nunca mais voltaria, com esse final maravilhoso a franquia vai poder continuar de forma quase certa, e fico na expectativa de Noturno Voltar Também, super empolgado por Apocalipse que tudo indica que será o ultimo filme da franquia ou o começo de uma nova!

    Post a Reply
  3. Nessa sou eu que vem falar onde você perdeu o último controle Márcio? Filme de 5 controles fácil cara. Um dos melhores de herói já concebidos. Você também não cita nenhum aspecto realmente importante que mereça o controle retirado, por isso acho que foi perdido.

    Veja logo aí, enquanto poucas pessoas viram. 😛

    Abraços

    Post a Reply
    • Achei ótimo sim, mas excelente? Faltou algo para mim a cena pós créditos me deixou mais empolgado do que o filme em si hehehe. Faltou um pouco de ação e tem alguns furos envolvendo algumas cenas pós-créditos e outras coisinhas da “cronologia” original que também ficou devendo. Foi isso o que comentei no post e me fez tirar um controle 🙂

      Post a Reply
  4. Ótimo filme!Uma trama muito boa,grandes atores e impossível não abrir aquele sorriso com as cenas de ação (principalmente as do mercúrio e as da Blink).Podia ter quatro controles e meio…kkkk.Mas ótima crítica.

    Post a Reply
    • Um dia eu ainda resolvo esse problema, poderia sim ter 4 controles e meio 🙂

      Post a Reply
  5. “Sim, ele é filho do cara”, rsrs. Gostei da forma sutil como eles coloram isso no filme, seria meio constrangedor ele saber que ia salvar papai ou algo do tipo. O filme consegue unir bem tudo que já foi aproveitado e até justificar a ida de Wolverine pro passado. Sai empolgada do cinema e ainda quero rever com calma.

    Post a Reply
  6. Eu achei as cenas de ação na medida certa, pra não acabar sendo só isso como foi o X-Men 3 que deixou a história de lado.

    Post a Reply
    • Você querer dizer que ter mais ação é ser igual a X-Men 3 é meio tendencioso né man? hahaha

      Mais ação como Pacific Rim, Capitão América 2, Homem de Ferro 2, etc… mais ação nesse nível hehehe

      Post a Reply
  7. Cara tenho muitas expectativas… gostei bastante do Primeira Classe e sou fã de viagem no tempo, então…

    Em breve assistirei.

    Post a Reply
  8. Vixi, eu achei meio fraco…deixa uns furos (ou eu que sou burra e não entendi). O que vale mesmo é o “reboot” na história e as possibilidades pro futuro. Esse papel o filme cumpriu muito bem. Mas sinceramente, eu acho que o que salva muito filme é que o Fassbender e o McAvoy estão incríveis. A sintonia é perfeita.

    Pensei a mesma coisa em relação à Wolverine e os filmes solo.

    Acho que esse filme poderia ser dividido em dois e contado de uma maneira melhor.

    Post a Reply

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.