Frank e o Robô (Robot & Frank)

Para os amantes da ficção científica, conhecer produções fora do radar da mídia é um exercício interessante de descoberta e, entre uma pesquisa ou outra, é possível se deparar com algumas pequenas jóias desconhecidas como “Frank e o Robô (Robot & Frank)”, que marcou a estreia nos cinemas do diretor Jake Schreier.

Passado em um futuro próximo, na trama vamos conhecer Frank (Frank Langella, “A Caixa”) um aposentado que possui dois filhos adultos que vivem preocupados com o fato de o pai não poder (e nem conseguir devido a alguns problemas inerentes a sua idade) viver mais sozinho. Para não ter que interná-lo em um asilo, eles optam por uma alternativa mais “moderna”: comprar um robô que é programado especialmente para ajudar no desenvolvimento da saúde mental e física de seu ‘dono/paciente’, ou seja, tomar conta dele.

robotandfrank_1

Logo de início Frank, logicamente, não gosta nem um pouco da ideia. Com o passar do tempo ele começa a descobrir uma forma de “manipular” o robô para que ele possa reviver seus antigos tempos em que era um assaltante de jóias. Nasce então entre os dois, que se tornam parceiros de crime, uma divertida e cativante amizade.

O filme marca a terceira vez em que Frank Langella e James Marsden (“Tudo por um Furo”) se reúnem ‘no cinema’, antes eles participaram do Superman ‘Returns’ de Bryan Singer (2006) e do filme de terror A Caixa (2009). Além disso traz a participação especial da sempre bela Liv Tyler (“O Incrível Hulk”), mas o desenvolvimento da história está mesmo centrado entre Frank e o robô que tem a voz do ator Peter Sarsgaard (“Educação”).

robotandfrank_2

Mesmo com seus clichês e ainda que tenha um probleminha ou outro, “Frank e o Robô” traz uma divertida e bonita história inserida numa das propostas mais interessantes das obras de ficção científica, aquelas que se utilizam de um grande avanço tecnológico ou salto no futuro para nos fazer refletir sobre o ser humano.

***

  1. O filme não tem nem 1 hora e meia, nem dá tempo de você se aborrecer o assistindo.
  2. Durante os créditos são exibidos vários robôs (que existem atualmente) executando diversas tarefas desde industriais até domésticas. É um tanto quanto assustador.

 


Ótimo: Classificação 4 de 5

frank-e-o-roboFrank e o Robô (Robot & Frank, 2012 – 89 min)
Comédia, Ficção Científica

Dirigido por Jake Schreier com roteiro de Christopher D. Ford. Estrelado por: Frank Lagella, Peter Sarsgaard (voz do robô), Susan Sarandon, James Marsden e Liv Tyler.

Related Posts with Thumbnails

Author: Marcio Melo

Analista de Sistemas, amante da sétima arte desde os tempos imemoriais e com muito sangue nerd fervilhando em veias hipertensas, fundou o Porra, Man! com o intuito de comentar sobre cinema de forma descomplicada e fácil de entender. Nas horas vagas torce prum time que nunca vence e mata monstros que não existem.

Share This Post On

2 Comments

  1. “Self-destruct sequence initialized …”

    Estava bebendo água e engasguei de rir nesta cena …

    Post a Reply
    • Sim, muito bom as “picardias” que os dois aprontam hehehe

      Post a Reply

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.