Indicado a 9 prêmios no Oscar de 2014, “12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave)” segue coladinho com “Gravidade” e “Trapaça” na lista dos mais indicados e é um dos favoritos a ganhar algumas estatuetas neste ano. Tido por alguns como o melhor e mais importante filme sobre a escravidão já criado (exagero?), é uma obra que conta com algumas boas atuações e traz uma carga emocional muito forte.

Baseado em acontecimentos reais descritos num livro lançado em 1853, o filme traz a história de Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor), um homem negro e livre que é vendido como escravo no período que antecede a guerra civil americana depois de cair num golpe onde supostamente lhe ofereceriam um trabalho temporário que lhe renderia um bom dinheiro. Durante os anos descritos ele lutará para sobreviver, manter sua dignidade e tentar voltar para a sua família.

12-years-a-slave-mcqueen-cumberbatch

Steve McQueen é um cineasta de trabalhos muito contundentes e poderesos, foi assim com “Hunger” e com “Shame” e neste seu terceiro trabalho não é diferente. Ele conseguiu reunir um elenco fantástico de coadjuvantes que inclui nomes como Benedict Cumberbatch, Paul Dano (“Ruby Sparks – A Namorada Perfeita”), Paul Giamatti (“Rock of Ages”) e Brad Pitt (“Guerra Mundial Z”), este último fez um trabalho importante na produção executiva. Na linha de frente a atuação de Chiwetel Ejiofor é de tirar o chapéu, ele consegue durante a história nos demonstrar diferentes emoções de forma muito crível que faz transparecer toda a sua dor e angústia. Como destaque temos a estréia em grande estilo da Lupita Nyong’o.

A história é muito sofrida e apresentada de uma maneira muito “real”, o filme de Steve McQueen consegue fazer o espectador ter vergonha dessa mancha na história da humanidade, até porque visualizar os fatos e a forma como os negros eram tratados como animais e todos os demais castigos é muito duro de se acompanhar e difícil de não se sentir de certa forma incomodado com tudo aquilo.

Existe uma cena em que o protagonista é “semi-enforcado” (digamos assim) que é de uma agonia ímpar. Não menos dolorosas são as cenas dos castigos físicos, chicotadas tão fortes e penetrantes (lá elas) que parecem navalhar nossa própria carne. As cenas de violência são um pouco fortes, mas não são gratuitas e exaustivas como, por exemplo, as daquele filme de Mel GibsonPaixão de Cristo”. Elas são pontuais e muito bem encaixadas com toda a história que, por si só, é deveras sofrida.

twelve-years-a-slave-michael-fassbender

Um ser humano que sofreu 12 anos de inúmeros castigos de diferentes pessoas assim como milhares e milhares de outros sofreram (e de certa forma atualmente ainda sofrem) nessa que foi uma das maiores tragédias da humanidade. “12 Anos de Escravidão” é um filme emocionante e que se o Oscar (ao contrário da nossa história) for justo neste ano, deverá abocanhar algumas importantes estatuetas.

***

  1. Vamos cantar todos juntos?

Excelente: Classificação 5 de 5

12 years a slave12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave, 2013 – 133 min)
Drama

Dirigido por Steve McQueen com roteiro de John Ridley. Estrelando: Chiwetel Ejiofor, Benedict Cumberbatch, Brad Pitt, Michael Fassbender, Paul Dano, Quvenzhané Wallis, Sarah Paulson, Paul Giamatti, Garret Dillahunt, Michael K. Williams, Taran Killam, Alfre Woodard e Lupita Nyong’o.

Related Posts with Thumbnails