Estrelado, escrito e dirigido por Joseph Gordon-Levitt, “Don Jon“, que aqui no Brasil ganhou o inoportuno e medíocre título de “Como não Perder essa Mulher“, é uma comédia de romance (com alguns toques dramáticos) que traz uma discussão até interessante sobre sexualidade e relacionamentos, mas que não desenvolve muito bem seus argumentos e nem consegue aproveitar as infinitas possibilidades de sua premissa.

Na trama vamos conhecer Jon (Joseph Gordon-Levitt, “Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge“) um solteirão que tem orgulho da vida que leva como um verdadeiro Don Juan moderno. Toda noite o “pegador” sempre consegue levar uma garota para casa e “faturá-la“, mas sempre tendo uma certeza em sua mente: nada é melhor do que pornografia virtual, nem mesmo o sexo de verdade. As coisas começam a mudar no seu estilo de vida quando ele conhece Bárbara (Scarlett Johansson, “Os Vingadores“), uma verdadeira “nota 10” que começa a fazer jogo duro com ele, o que o obriga a ter que mudar um pouco as suas táticas. Não tarda muito e Jon começa a ceder aos caprichos de Bárbara e, quando menos ele espera, já está namorando e totalmente dominado pela garota.

don-jon-fathers-day-clip-061613

 

O começo do filme é muito bom e rende algumas cenas e situações bastante divertidas. E já de início, enquanto Jon está dando uma verdadeira aula de masturbação frenética ao mesmo tempo em que parece estar conquistando, uma a uma, todas as mulheres da cidade, vem à tona a discussão sobre sexualidade. Jon apesar de estar sempre levando garotas para a cama vê o sexo ‘real’ como algo abaixo do que ele encontra nos sites de pornografia. E quando sua namorada descobre que ele vê pornografia, o que para ela (que deve viver em marte) é algo inconcebível para um namorado seu, é que as coisas começam a se complicar.

Quando a história se desenrola mais um pouco, meio de surpresa e se esgueirando pelos cantos, entre em cena uma personagem interpretada por Julianne Moore (“Carrie, A Estranha“). A partir desse ponto que o filme se perde um pouco em suas argumentações e segue uma linha de raciocínio bobinha e até um pouco infantil.

Em seu debut como diretor Joseph Gordon-Levitt até que não faz muito feio, mas pode e deve melhorar mais a frente. Já na atuação ele está ótimo, assim como todo o núcleo familiar de seu personagem, em especial Tony Danza e Glenne Headly que interpretam os pais de Jon (e infernizam sua vida). A atriz Brie Larson (“Anjos da Lei“) está igual aos adolescentes de hoje em dia, o tempo todo no celular e diz uma única frase durante todo o filme. Para fechar (com chave de ouro) temos Scarlett Johansson, nota 10 em todos os quesitos.

Don-Jon-4

Ainda que levante algumas discussões importantes, “Don Jon” não consegue manter o bom nível em que inicia o filme e tampouco consegue sustentar, de maneira mais inteligente, os seus próprios questionamentos. Quando resolve encerrar a história deixa uma lição ‘meia boca‘ como resposta. De qualquer forma, sejam pelas atuações ou sejam por algumas cenas e sequências bem boladas, o saldo  final entre altos e baixos é razoavelmente positivo.

***

  1. Vamos ser sinceros Joseph, tudo isso foi apenas uma desculpa para dar uns bons amassos em Scarlett Johansson, não foi?
  2. Em minha opinião fecal, o que se deve combater na vida são os excessos.
  3. Os protagonistas estão vestidos na melhor cena de sexo do filme.
  4. As cenas no confessionário e a pergunta sobre o “cálculo de orações” me fizeram aproximar a classificação para cima.

Bom: Classificação 3 de 5

como-nao-perder-essa-mulherComo não Perder essa Mulher (Don Jon, 2013 – 90 min)
Comédia, Romance, Drama

Um filme de Joseph Gordon-Levitt com Joseph Gordon-Levitt, Scarlett Johansson, Julianne Moore, Tony Danza, Glenne Headly, Brie Larson, Rob Brown, Jeremy Luke e Italia Ricci.

 

Related Posts with Thumbnails