Vai que Dá Certo

Os maiores críticos do cinema nacional sempre reclamam das fórmulas manjadas e do uso constante de atores ‘televisivos’ nos filmes nacionais, “Vai que Dá Certo” foge um pouco desse esquema ao trazer em seu elenco alguns atores mais conhecido por seus trabalhos na internet e também uma linguagem mais ‘atualizada’ e divertida numa daquelas comédias de sucessivas trapalhadas feitas, exclusivamente, para entreter sem abusar muito da paciência e inteligência de quem a está assistindo.

futebol vai que da certo

Na história do filme acompanhamos o reencontro de cinco sujeitos que foram grandes amigos durante a adolescência e que, agora, possuem em comum o fato de serem grandes fracassados. A possibilidade de recuperar o tempo perdido e conseguirem ganhar uma boa grana surge num plano tentador, um assalto planejado e “de baixo risco” a uma transportadora de valores.

O filme começa um pouco devagar e só engrena mesmo quando o tal plano do “crime perfeito” começa a ser executado e, logicamente, as trapalhadas começam a surgir e tudo vai dando errado. A cena do falso sequestro é, por si só, hilária. E a partir daí as coisas vão piorando. Sempre que eles tentam se acertar se metem em mais problemas e assim o filme caminha até o seu desfecho, com direito a uma deixa para continuação que, ao meu ver, será até bem vinda se conseguirem manter o mesmo “espírito” desta primeira produção.

Na direção Maurício Farias procura não se arriscar muito e o roteiro é até razoável, mas o grande trunfo aqui é mesmo o elenco. Gregório Duvivier (“Apenas o Fim“) e Fábio Porchat possuem já, de longa data (pelo menos para os que já vinham acompanhando os seus outros trabalhos), um talento nato para fazer graça com todo tipo de situação, estão bem também em seus papéis Felipe Abib, Lúcio Mauro Filho (“Muita Calma Nessa Hora“) e o seu pai, Lúcio Mauro (“Feliz Natal”), que faz uma participação especial muito boa. Danton Mello (“O Palhaço“) teoricamente é o principal e Bruno Mazzeo (E aí, Comeu?), ainda bem, aparece pouco mesmo que, verdade seja dita, não faça tão feio assim o papel de político “almofadinha” corrupto.

vai que da certo roubo

A cultura nerd que anda na moda está presente com força no filme, tanto a abertura quanto os créditos possui um trabalho de arte que relembram os antigos jogos do atari e, na própria história, tem muita discussão envolvendo diversos elementos da cultura pop (num duelo entre o Batman e o James Bond quem venceria?) e também games. Talvez tenham exagerado só um pouco (nessas referências), mas como uma comédia de erros e trapalhadas que possui apenas o intuito de garantir alguns minutinhos de entretenimento, “Vai que dá Certo” não faz feio e cumpre bem os seus objetivos.

***

  1. O Titã Branco Mello é um dos responsáveis pela ótima trilha sonora que, como esperado, é muito rock!

poster_vai_que_da_certoVai que Dá Certo (2013 – 100 min)
Comédia

Dirigido por Maurício Farias com roteiro de Maurício Farias e Fábio Porchat. Estrelando: Danton Mello, Fábio Porchat, Gregório Duvivier, Felipe Abib, Lúcio Mauro Filho, Bruno Mazzeo, Natália Lage, Lúcio Mauro e Sérgio Guizé.

 

Related Posts with Thumbnails

Author: Marcio Melo

Analista de Sistemas, amante da sétima arte desde os tempos imemoriais e com muito sangue nerd fervilhando em veias hipertensas, fundou o Porra, Man! com o intuito de comentar sobre cinema de forma descomplicada e fácil de entender. Nas horas vagas torce prum time que nunca vence e mata monstros que não existem.

Share This Post On

12 Comments

  1. Eu sabia que você ia gostar. E eu acho esse um “filme melhor” do que Os Penetras.

    Post a Reply
    • É um filme divertido esse aqui, mas achei “Os Penetras” muito mais engraçado. Se for medir pela quantidade de gargalhadas, este aqui ainda perde um pouco hehehe

      Post a Reply
  2. juntou duas coisas que não sou muito fã :futebol e cinema nacional hahaha,mais os atores são engraçados,quem sabe eu não assisto …..quando passar na globo daqui a 2 anos hahaha foi mal Marcio,não resisti 🙂

    Post a Reply
    • Não Vanessa, a parte de futebol é tão pouca coisa que nem chega a contar, o filme foca mais na questão da “cultura nerd”, games, filmes e umas trapalhadas que é mais ou menos como se “Os Trapalhões” fizessem uma paródia destes filmes “de assalto”.

      Post a Reply
  3. É, não é dos piores mesmo, eu só acho que eles exageram nas caricaturas. E aquele negócio de experimentar jogo no meio da ação, é demais pra minha cabeça, hehehe.

    Post a Reply
    • Eles exageram mesmo você tem razão mas como era Duvivier até que deu pra dar risada de absurdos como este aí. Essa cena em questão chega a ser até surreal e sem sentido hahahaha

      Post a Reply
  4. Ainda não tive oportunidade de assistir esse filme, mas ao que me parece, pelo que tenho lido, o filme é legal. Eu não tinha a menor expectativa e achava q seria uma grande porcaria. Bom não ser.

    Post a Reply
  5. Eu esperava um filme bem mais engraçado, por isso acho que fiquei meio decepcionada, mas houve alguns momentos de risos histéricos. O considerei legalzinho.

    Post a Reply
  6. Eita! Parece que agora surgiu um filme cômico nacional que, se não tem adoradores, pelo menos não tem os haters tão característicos. Mesmo com os comentários, o filme não me apetece. Quem sabe um dia… =/

    Post a Reply
  7. Danton Melo não fez “o palhaço” não. Quem o fez foi o irmão Selton. Por sinal, que bosta de filme “o palhaço”.

    Post a Reply
    • Sim, o principal foi Selton seu irmão mas ele também fez uma participação no filme.

      Post a Reply

Trackbacks/Pingbacks

  1. Faroestes Caboclo, o filme. (Porra, Man!) - [...] Na trama, que se baseia na canção homônima, acompanhamos a história de João de Santo Cristo (Fabrício Boliveira,“400 Contra…

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.