Quem deixou o caminho livre e entregou conhecidos atores internacionais como Juliette Lewis e Andy Garcia e até mesmo a brasileira Camilla Belle nas mãos de Márcio Garcia para fazer (mais) um filme? Esta pergunta é logo respondida quando se inicia “Angie (Open Road)” e surgem vários patrocinadores em tela, é neste momento que se inicia o maior bingo cinematográfico dos últimos tempos. Tenha papel e caneta na mão para ir fazendo seus “checks” toda hora que um destes produtos (e até locais como Vitória-ES) surgirem em tela, provavelmente será sua única diversão nesta produção que deixa MUITO a desejar.

Na trama conhecemos a jovem Angie (Camilla Belle, “À Deriva”) que deixou para trás sua família no Brasil (mãe e irmã) e partiu para os Estados Unidos em uma jornada de “auto descobrimento”. Morando no meio do mato ela aproveita para desenvolver sua arte e também ter conversas ‘filosóficas’ com seu ‘vizinho’ Chuck (Andy Garcia). Na busca por alguém que a abandonou há muito tempo, Angie sai pulando de cidade em cidade e emprego em emprego, numa destas ‘paradas’ ela conhece um jovem policial chamado David (Colin Egglesfield) de onde surge uma paixão.

angie-garcia

A pobre da Camilla Belle até tenta dar uma profundidade maior à sua personagem, mas seus esforços, tal qual aquela espremidinha na embalagem do creme dental que já está no fim não dão em muita coisa. Num roteiro ruim e envolto de PÉSSIMOS diálogos e, para completar, recheado de piadas inacreditavelmente nada engraçadas – e que PIORAM por ainda precisarem ser explicadas em mais 2 ou 3 diálogos como em uma envolvendo “Chuckrates” – não sobra muita coisa que se salve nesta obra do meu xará Márcio Garcia.

Tá certo que Juliette Lewis (“Hick”) e Andy Garcia não são lá atores do primeiro escalão internacional, mas fica claro ao assistir “Angie” que o dinheiro é capaz de qualquer coisa, até mesmo de fazer algumas pessoas participarem de grandes furadas. Toda vez que via Andy Garcia “atuando” me dava vontade de chegar para ele e perguntar: “Andy meu velho, o que você está fazendo aí? Corra que Christiane “bebê Torloni vai te pegar”.

Numa sucessão de cenas montadas à moda caralha (perdoem meninas a expressão) a direção de Garcia, para completar, nunca se encontra e ele acaba mesmo é se especializando na arte do “Product Integration” no cinema. Em um momento Angie diz a irmã, interpretada por Carol Castro (que assim como a personagem de Torloni faz 96,72% das suas cenas sentadas conversando ao telefone), que está “no mundo em lugar nenhum”, na cena seguinte ela recebe da Leader (CHECK!) uma encomenda em seu novo trabalho do exótico país chamado Brasil. Seria um macaco? Fica a dúvida do produto recebido mas a certeza de termos uma empresa com o melhor sistema de geolocalização do mundo. Orgulho!

E a história, por mais incrível que pareça, guarda um grande mistério que é resolvido sabe por quem? Pela Gillete (CHECK!), sim, isso mesmo. Todo o mistério é resolvido depois que um produto da Gillete entra em ação. Em sua essência, então, podemos concluir que “Angie” é um filme que nos prova que essa empresa nacional possui alguns dos produtos mais valiosos do mundo que podem mudar vidas e traçar novos destinos. Que orgulho! E o pior é que não para por aí o nosso bingo cinematográfico, não tarda muito e vemos a Korean Air (CHECK!) ligando famílias separadas entre os EUA e Vitória do Espírito Santo (CHECK! BINGO!).

angie-belle

Numa sucessão de falhas fica difícil levar alguma coisa a sério neste segundo trabalho de Márcio Garcia na direção. Entendo perfeitamente a batalha que deve ser produzir e terminar um filme e eu, mais do que muitos, sempre gosto de defender o nosso cinema ou nossos diretores e atores, mas tem coisas como esta aqui que não há defesa. Quando você vê mãe e filha que conversaram durante todo o filme em português pelo telefone se recepcionarem pessoalmente em inglês, é hora de jogar a toalha e rir da situação. É o máximo que você poderá fazer com esta obra, rir dela. Junte seus amigos, se for de maior beba alguma bebida forte e entre no cinema para se divertir do início ao fim. É o maior incentivo que posso dar para tentar ajudar o meu xará que precisa melhorar muito se quiser ganhar algum respeito por aqui.

 


angie-posterAngie (Open Road, 2013)
Drama

Um filme de Márcio Garcia com Camilla Belle, Juliette Lewis, Colin Egglesfield, Andy Garcia, Christiane Torloni, Carol Castro e Anya Andrews.

Related Posts with Thumbnails