Hitchcock (Hitchcock) – 2012

Hitchcock (POSTER)Hitchcock (Hitchcock, 2012 – 98 min)
Drama, Biografia.
Dirigido por Sacha Gervasi, roteiro de John J. McLaughlin, baseado no romance “Alfred Hitchcock and the Making of Psycho”, de Stephen Rebello. Elenco Principal: Anthony Hopkins, Helen Mirren, Scarlett Johansson, Danny Huston, Toni Collette e Michael Stuhlbarg.

.

.

.

Já comentei sobre 3 filmes de Alfred Hitchcock aqui no blog e, sinceramente, acho isso muito pouco. Como falei nos posts de Vertigo, Rear Window e Psycho, ele é meu diretor preferido e seus filmes estão no topo da minha lista dos melhores de todos os tempos. Dentre eles, o já comentado Psycho é o que considero o mais importante da carreira do diretor e é ainda um dos que mais gosto. Exatamente por isso fiquei muito ansioso quando fiquei sabendo da existência de Hitchcock, afinal…

Hitchcock - Imagem 1

…o filme nara os bastidores da vida do diretor desde a estreia de North by Northwest, passando pela produção e lançamento de Psycho, até a procura por uma nova ideia que posteriormente resultaria em The Birds. Nesse meio tempo Hitchcock e sua esposa Alma Reville lutam contra a resistência dos estúdios, crítica, censura e ciúmes para produzir o filme que posteriormente seria considerado um dos maiores suspenses de todos os tempos.

O mais importante ponto de Hitchcock para a compreensão da vida do diretor é a apresentação de Alma Reville e sua importância para o sucesso de seu marido. A vida com Alfred Hitchcock não era nada fácil e o filme mostra isso. Sua obsessão por comida e, principalmente pelas belíssimas protagonistas de seus filmes são problemas com os quais Alma tem que lidar nesse casamento. Apesar disso sempre mostrou apoio ao trabalho do marido, acreditando e conhecendo seu potencial, disposta a fazer sacrifícios para possibilitar a realização dos seus projetos e, principalmente, adicionando seu talento pessoal aos trabalhos dele (como é mostrado durante a finalização da cena do chuveiro de Psycho).

Assim, a história do filme já é suficientemente interessante e cativante para torná-lo excelente, soma-se a isso ainda uma ótima direção e um elenco simplesmente fantástico. Helen Mirren dá um show como Alma e Scarlett Johansson encara muito bem Janet Leigh, a protagonista da vez. Até mesmo o elenco secundário é excelente, afinal ver James D’Arcy como Anthony Perkins foi quase como ter visto Perkins em pessoa interpretando a si próprio. Mas ninguém se compara a Anthony Hopkins. Eu imagino que deve ser horrível trabalhar com ele, afinal ao seu lado é impossível obter qualquer destaque. O ator incorporou perfeitamente Alfred Hitchcok, com o auxílio de uma maquiagem fantástica que o deixou praticamente irreconhecível. Igualzinho ao diretor/personagem!

Hitchcock - Imagem 2

No fim das contas, Hithtcock agora é sinônimo não apenas de um grande diretor, mas também de um grande filme. Mesclando elementos de comédia, com drama e parte da biografia de um dos maiores diretores de todos os tempos, Hitchcock apresenta uma história excelente, cativante e contada em um ótimo ritmo e por um elenco muito bem qualificado. Só lamento que Alfred e Alma não puderam ver este filme, mas tenho certeza que se pudessem, até eles iriam adorar.

“Eu imagino que ele (Hitchcock) seja como qualquer grande artista: impossível viver junto, mas vale o esforço”
– Whitfield Cook

Related Posts with Thumbnails

Author: Elvis José Alves

Um velho com pouco mais de 20 anos, estudante de Direito, admirador da sétima arte e antiguidades (geralmente ao mesmo tempo), roteirista e Jedi de fim de semana. Passa o tempo livre assistindo filmes e séries, escrevendo e adiando as coisas realmente importantes.

Share This Post On

9 Comments

  1. ótimo diretor,mas deve ser chato bagarraí.quanto ao filme deve ser interessante.

    Post a Reply
  2. tambem sou fã do diretor, mas achei que o filme ficou devendo bastante… aquelas “visões” que ele tinha eram bizarras e no final das contas acabou virando um tipo de romance insosso…
    ao contrário de você não gostei da maquiagem, me pareceu estranha demais.
    o mestre do suspense merecia algo bem melhor

    Post a Reply
    • Tá aí Bruno, você tocou num ponto que eu também não curti tanto no filme, as tais visões poderiam ser retiradas dele facilmente.

      Post a Reply
  3. Gostei bastante também do filme Elvis que foi ignorado pelo Oscar não é? Teve lá a indicação a melhor maquiagem (e como você citou estava muito boa realmente) mas só.

    Gostei da atuação de Hopkins mas adorei Helen Mirren. Incrível como mesmo na idade em que ela se encontra ela continua sendo uma mulher incrível, linda e muito boa atriz.

    Gostei muito dos momentos de comédia e só achei que tem uma hora que o filme esfria e fica muito focado no “romance” e ciúmes, mas de fato um grande filme. Não sei se daria nota máxima, mas perto disso sim chegaria e valeria quem sabe até aproximação para os 5 controles.

    Para encerrar, antes que um pássaro pouse em meu ombro, ótimo texto. Parabéns.

    PS: Esperei pela cena pós créditos e meio que me arrependi.
    PS2: Vi na cabine de imprensa, que moral.

    Post a Reply
  4. De fato as visões não são lá muito interessantes mesmo e também acho que poderiam ser retiradas. Foi uma forma de “aproximar” Hitchcock a inspiração da história de Psycho, que é o Ed Gein. Desnecessário, de fato, mas acho que não chega a atrapalhar.
    Com meus sistema peculiar de avaliação eu dei nota 9 para o filme, o que equivale a 5 controles (1 controle = 1 e 2; 2 = 3 e 4; 3 = 5 e 6; 4 = 7 e 8; 5 = 9 e 10). Assim é nota 5 controles, mas pode melhorar. 😉

    Post a Reply
  5. Vi o filme e gostei, não classificaria com muito bom. Concordo que as tais visões ficaram bizarras e dificultaram a compreensão. Mas o filme fica sendo uma lição sobre com a montagem e a sonoplastia podem “fabricar”um sucesso.

    Post a Reply
  6. Engraçado, desde a primeira vez que vi James D’Arcy percebi certa semelhança com o eterno Norman Bates. Quanto ao filme, atuações abaixo do esperado de Hopkins e Mirren. Não sei se há algo a destacar. Hitchcock ficaria desapontado.

    Post a Reply
  7. Engraçado que eu tinha interesse em conferir este filme, mas depois de ver algumas opiniões contrárias me desestimulei, inclusive o Ewald comentou no Oscar que a maquiagem feita é rídicula e não fantástica como você destacou Márcio.

    Não sou muito de dar ouvidos a opiniões pura e simples, mas as críticas destacadas me fizeram cortar o longa da minha lista. Pretendo dar uma oportunidade quando sair para a telinha.

    Post a Reply
    • Lembrando que o post aqui foi escrito por Elvis, mesmo eu concordando com ele com esta crítica aqui é bom deixar claro. Achei a maquiagem muito boa também, foram indicados ao Oscar afinal (mesmo que para alguns isso não queira dizer muita coisa) e talvez a atuação de Hopkins um pouquinho afetada além do necessário tenha feito as pessoas ficarem analisando a maquiagem mais do que “deveriam” por conta de todas as suas caretas, sei lá.

      Enfim. Assisti ao filme na cabine de imprensa e me diverti BASTANTE com ele. Tem uma chatice ou outra mas, mesmo assim, acho que vale muito a pena.

      Post a Reply

Trackbacks/Pingbacks

  1. Os 3, uma espiadinha num triângulo amoroso | Porra, man! - [...] mestre Alfred Hitchcock foi um dos primeiros cineastas a darem um maior destaque ao voyeurismo quando lançou uma de…
  2. O Verão da Minha Vida (The Way Way Back) - Porra, man! - […] do insuportável namorado (Steve Carell, “Amor a Toda Prova”) de sua mãe (Toni Collette, “Hitchcock”). Durante uma saída, Duncan…
  3. Thor - O Mundo Sombrio (Thor - The Dark World) - Porra, man! - […] liderando batalhas para apaziguar os Nove Reinos, um antigo inimigo de Odin (Anthony Hopkins, “Hitchcock”) o elfo negro Malekith…

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.