O Silêncio do Lago (Spoorloos) – 1988

O Silêncio do Lago (Spoorloos, 1988– 107 min)
Mistério, Thriller.
Dirigido por George Sluizer, roteiro de Tim Krabbé, baseado no seu romance The Golden Egg. Elenco Principal: Bernard-Pierre Donnadieu, Gene Bervoets, Johanna ter Steege e Gwen Eckhaus.
.

.

Escrever sobre um filme holandês/francês não foi nada fácil, parece que não tem informação em lugar nenhum. Pra início de conversa o nome do filme já causa certa confusão. Spoorloos é o título original, mas, como não entendo nada de holandês, tentei pesquisar pelo nome inglês: The Vanishing. Encontrei “um balaio” de filmes com esse nome ou com essa palavra no nome, o que só complicou. Parti pro nome em português: O Silêncio do Lago – que pra variar não tem nada a ver com o filme – e ainda não encontrei nada. Depois de muita busca, nem sei como consegui encontrar alguma coisa sobre o filme, mas descobri que o nome em português seria O Homem que Queria Saber, o qual faz bastante sentido e por isso não deve ser. Mas o mais importante é que, depois de tanta luta, consegui o que precisava para escrever sobre minha frustração.

O filme conta a história do casal holandês Rex (Gene Bervoets) e Saskia (Johanna ter Steege), que viaja para a França durante as férias. Porém, em uma parada para abastecer o carro, Saskia desaparece misteriosamente e nunca mais é encontrada. Sem pistas, a polícia logo desiste do caso, mas Rex segue na busca durante anos e acaba caindo em um jogo doentio de um psicopata.

Quando li do que se tratava o filme pensei: “interessante, mas um tanto quanto comum. O que será que faz desse filme tão especial para estar na lista dos 10 filmes para assistir antes de morrer?”. E a resposta que encontrei foi a seguinte: NADA! Eu adoro o gênero thriller pela mescla de sentimentos intensos que ele proporciona, mas esse filme chega a ser maçante em alguns momentos. A história é previsível e arrastada do início ao fim, surpreende muito pouco e não consegue prender a atenção como deveria.

A direção não chega a ser ruim, mas é instável, chegando a ser até um pouco atrapalhada em algumas cenas, o que contribui para a falta de qualidade do filme. O elenco faz um trabalho bom, mas nada que mereça grande destaque. SPOILERS: Os poucos momentos interessantes estão na construção do personagem Raymond Lemorne, um psicopata perfeccionista que basicamente treina todos os seus movimentos antes de executá-los, e no final, em uma cena interessante e surpreendentemente bem dirigida que mostra através de Rex o que aconteceu com Saskia.

O filme não é ruim, mas também está longe de ser bom, ele é o que considero a pior coisa que que poderia figurar na lista dos 10 filmes para assistir antes de morrer: médio. Para entrar nessa lista o filme tem que ser incrível, o que O Silêncio do Lago (ou O Homem que Queria Saber?) não é nem de longe. Mas afinal, o que levou Steven Jay Schneider a incluir essa coisa em sua lista? Não faço ideia. Acredito que ele tenha seus motivos, mas se a lista fosse minha acho que não incluiria ele nem entre os 1.001.

“Pra mim matar não é a pior coisa.”
– Raymond Lemorne

Related Posts with Thumbnails

Author: Elvis José Alves

Um velho com pouco mais de 20 anos, estudante de Direito, admirador da sétima arte e antiguidades (geralmente ao mesmo tempo), roteirista e Jedi de fim de semana. Passa o tempo livre assistindo filmes e séries, escrevendo e adiando as coisas realmente importantes.

Share This Post On

2 Comments

  1. acabei de assisti esse filme,é bonzinho mas poderia ser beeem melhor.a melhor coisa mesmo como vc disse foi o psicopata,muito bem construido,só de pensar que existem caras assim na vida real é assustador,e as partes que ele colocou o gesso me lembro o Ted Bundy,um serial killer que matava mulheres ,nem sei se vc ouviu falar nele.agora a burriçe do protagonista no final foi de matar.e esse filme tem remake sabia? eu vou procurar pra assisti,deve ser melhor que esse hahaha.

    Post a Reply
    • Que bom que você concorda comigo Vanessa, fiquei com medo de estar fazendo uma injustiça por não ter conseguido compreender o filme direito.
      Nunca tinha houvido falar sobre Ted Bundy, vou pesquisar.
      Quanto ao remake, não sabia que existia. Remakes me dão medo, mas nesse caso, pode ser que tenha conseguido deixar o filme um pouco mais interessante. Se for bom me avise… 😉

      Post a Reply

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.