A Noite dos Mortos-Vivos (Night of the Living Dead) – 1968

Classificação 4 de 5

Night of The Living Dead - PosterA Noite dos Mortos-Vivos (Night of the Living Dead, 1968 – 96 min)
Terror.
Dirigido por George A. Romero, roteiro de John A. Russo e George A. Romero. Elenco Principal: Duane Jones, Judith O’Dea, Karl Hardman, Marilyn Eastman, Keith Wayne, Judith Ridley e Kyra Schon.
.

.

.

.

.

Seja por decorrência de uma previsão apocalíptica,  por pura preguiça ou porque acabou o papel, o calendário Maia terminou ontem, dia 21 de dezembro de 2012, e as especulações sobre um possível fim do mundo, por decorrência do fim desse calendário, foi o que dominou as discussões durante os últimos anos. Uma das possibilidades levantadas é a de que passaríamos a viver em um futuro pós-apocalíptico repleto de zumbis, e foi por isso que resolvi trazer à tona esse clássico do gênero. Eu não tenho certeza de nada sobre o fim do mundo, mas uma coisa eu sei: se você está lendo esse texto no dia 22, significa que o mundo não acabou e que não tem nenhum zumbi tentando comer seu cérebro.

Night of The Living Dead - IMAGEM 1

Assim como todos os filmes de zumbi, Night of the Living Dead começa com a surpresa de algumas pessoas ao verem que os mortos não estão descansando como deveriam, e o pior, querem comer os vivos. Em uma tentativa de se salvar, um grupo de estranhos se tranca em uma casa, escondendo-se dos ameaçadores zumbis e tentando sobreviver à noite para que, no dia seguinte, o resgate milagroso apareça para lhes salvar.

Nunca fui muito fã de filmes de zumbi, não sei porque, simplesmente não era. Mas, de uns tempos para cá, é praticamente tudo que assisto. Porque? Talvez por causa do anunciado Apocalipse, não sei, mas o fato é que percebi uma coisa em comum nos filmes de zumbi: geralmente eles têm um tom meio satírico em cima dos comedores de cérebro, fazendo-os parecer quase ridículos em alguns momentos. Não é o que acontece em Night of the Living Dead, esse filme trata do tema com a devida seriedade e cria uma obra singular do gênero graças a direção do maior especialista em zumbis do cinema, George A. Romero.

Porém, o filme tem dois pequenos problemas:

  1. O primeiro é que o filme foi feito com um orçamento muito baixo, e com isso acabou ficando esteticamente bem mal feito. As atuações são fracas, exceto por alguns pequenos momentos de inspiração do elenco, o que não se mantem durante boa parte do filme. Apesar disso, os personagens são muito interessantes, e criam bons momentos devido ao conflito de suas personalidades, afinal, o roteiro é muito bom e, além de compor esses personagens e seus atritos, explica claramente a situação dos zumbis. E aí está outro problema;
  2. SPOILERS: não gostei nem um pouco da história de a epidemia zumbi ser causada por uma radiação vinda do espaço de carona com um satélite. Além disso, em alguns momentos os zumbis se mostram dotados de certa inteligência, usando ferramentas ou pedras para matar, quebrar janelas, abrir portas, etc. A ideia de zumbi, para mim, deveria ser de que eles apenas preservam os instintos primitivos de comer e procurar por comida, dessa forma, não poderiam ter o discernimento necessário para esses feitos.

Night of The Living Dead - IMAGEM 2

Apesar dos pontos negativos, o filme não perde sua importância, e o fundamental é que isso não se deve apenas ao fato de ele ter sido um precursor do gênero, servindo de paradigma para a criação do modelo de zumbis moderno, mas porque o filme é realmente bom! Além do mais, o filme foi o primeiro a trazer o conceito de futuro pós-apocalíptico dominado por zumbis e conta ainda com o que considero o mais importante em um grande clássico do cinema: um final excelente e nada otimista.

“Coloque essa coisa no fogo! Nós não queremos ele se levantando de novo!”
– Sheriff McClelland

Related Posts with Thumbnails

Author: Elvis José Alves

Um velho com pouco mais de 20 anos, estudante de Direito, admirador da sétima arte e antiguidades (geralmente ao mesmo tempo), roteirista e Jedi de fim de semana. Passa o tempo livre assistindo filmes e séries, escrevendo e adiando as coisas realmente importantes.

Share This Post On

3 Comments

  1. clássico demais,adoro esse e o remake.o mundo não acabou,mas se acabasse eu adoraria que fosse um apocalypse zumbi,sério.

    Post a Reply
  2. Grande clássico do gênero, um dos meus preferidos… o final de fato é ótimo e até inesperado.

    Mas o meu preferido do Romero é mesmo Dawn of the Dead.

    Post a Reply
  3. “o mundo não acabou,mas se acabasse eu adoraria que fosse um apocalypse zumbi,sério.”
    Pois digo o mesmo Vanessa! 🙂

    Post a Reply

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.