Trilogia REC

 

Lembro-me quando decidi assistir REC. Sessão a noite, única sala, um filme que eu nunca tinha ouvido falar … pela primeira vez nem mesmo tinha visto o trailer. Li a sinopse e pensei: Por que não? Esta foi uma grande experiência cinematográfica. Assistir REC no cinema, sem idéia do que esperar, fez com que o filme se elevasse a um patamar de clássico.

Um filme espanhol, dirigido por Paco Plaza, conta a história de uma apresentadora de TV e seu câmera que estão  cobrindo uma pauta: O que acontece durante a madrugada no quartel de bombeiros. A princípio, nada interessante. Mas ao contrário do que se imagina só encontram marasmo. Quando você já está sentindo todo aquele tedio em sua cadeira de cinema, surge um estranho chamado para os bombeiros: Uma senhora machucada no interior de seu apartamento precisa de ajuda. A equipe segue para lá e todos terão a pior noite de suas vidas.

Incrível como tudo parece funcionar em REC. O recurso de câmera na mão, já tão batido, foi muito eficiente e nas habilidosas mãos de Paco ficamos presos ao seu ponto de vista. A luz limitada, os sons misturados, aqueles momentos em que você só consegue visualizar o centro da imagem e os cantos ficam totalmente no escuro… a ausência total de luz. REC é uma experiência. A partir do momento que um bombeiro cai – dando um susto genuíno em todos nós – começamos uma ciranda alucinante onde você só vai respirar aliviado ao final da trama. E por falar em final, o que foi a menina Medeiros? Será que alguém não sentiu um pânico quando aquela coisa apareceu?

Quando soube que REC teria uma sequência, fiquei enlouquecida! As informações não eram precisas, demorou pra sair teaser, trailer, imagens… apenas o cartaz estava disponível. O filme demorou tanto para chegar ao Brasil que acabei assistindo pelo computador e me decepcionei. Na verdade … senti raiva. Eu praticamente venerava o primeiro filme e me deparei com algo tão ruim, tão ruim que parei de assistir no meio. Depois de um tempo tentando dar uma outra chance ao filme, assisti por completo e me frustrei ainda mais.

REC 2 parte do que acontece do lado de fora do prédio no primeiro filme. Dessa vez estamos juntos da equipe da “SWAT” espanhola que se prepara para entrar no edifício e acompanhamos a narrativa pela câmera fixada no capacete de cada um dos integrantes da equipe ( oi?) Isso não funciona em nenhum momento do filme! Nenhum!  Enquanto a equipe procura aqueles sobreviventes, se é que existia algum, só encontram corredores e quartos vazios. Até que uma das pessoas da equipe que deveria ser um médico, se revela Padre e diz que precisa de uma amostra do sangue da menina Medeiros e um papo sobre posessão demoniaca e blá blá blá wiskas sachê (ooooi??) Mesmo com o prédio todo o cercado pela policia evitando qualquer vazamento e dos personagens do primeiro filme terem lutado incasavelmente pra sair, um grupo de adolescentes consegue entrar no prédio sem problemas (nesse momento caí dura no chão me derretendo como Clarence Boddicker em Robocop 1 ).

Quando REC 3 foi anunciado eu já estava tão sem esperanças que nem acompanhei nada. Li uma ou outra notícia, vi uns cartazes e um trailer. Não estava nem pensando em assistir, até que vi o download disponível na internet. Segurei as pontas e esperei chegar nos cinemas mas nenhuma previsão. Fiz o download e esqueci ele no computador até que um dia estava de bobeira e pensei, deixa ver o que tem de bom aqui pra assistir… encontrei o filme esquecido e me joguei.

Para minha surpresa, REC 3 é um bom filme. A história se passa em um clima totalmente diferente. Somos apresentados a uma festa de casamento durante o dia em um lindo local que parece ser um pouco mais afastado da cidade. Inicialmente acompanhamos o que acontece a partir da camera de um dos convidados mas de maneira muito inteligente isso não é utilizado durante todo o filme pois ficaria sem propósito.  Bons personagens, boa locação, a história flui bem natural … só isso deveriaser o suficiente. E por que não é? Nesse momento vou bancar a chata e colocar uma visão muito pessoal. Da mesma maneira que disse lá em cima, REC é uma experiência pra mim. O primeiro filme é irretocável. O fiasco do segundo filme me fez desacreditar que algo bom pudesse vir e quando assisti esse terceiro estava tão armada que nem curti a história. Na segunda vez que assisti gostei mais e pude perceber muitas coisas interessantes a exemplo do casal central, torci pelos personagens, a cena da noiva com a serra no tunel é sensacional, o momento onde eles usam armaduras é hilário…

… REC 3 é divertido, o final é excelente. Mas não fiquei grudada na cadeira sem fôlego ou passei todo o tempo com medo. Eu até consegui me divertir, coisa que não tive esaço em REC 1. Acredito que se não fosse parte da trilogia mas apenas um filme independente eu teria gostado muito. Nem vou mencionar o momento que o Padre diz umas palavras da Biblia e  os zumbis tem uma reação absurda. Isso foi o fim da picada até porque eu prefiro a linha do vírus da raiva que chegou a ser introduzida no primeiro filme. No mais, o primeiro filme vale muito a pena e o terceiro também. O segundo você pode fazer isso aí:

Related Posts with Thumbnails

Author: Dani Vidal

Dani Vidal (@danividal) é formada em Relações Públicas e autora do blog Feminina. Apesar de não dispensar um terror recheado de zumbis, chora copiosamente com um bom drama. Acho que nossa postura com a sétima arte é como se achar técnico de futebol. Ninguém é especialista mas todo mundo tem uma opinião e adora criticar a escalação.

Share This Post On

18 Comments

  1. Poxa Dani, concordo totalmente contigo em relação ao segundo filme, é realmente uma tristeza.

    Quando assisti o primeiro foi em casa, a cada cena que ia rolando eu ia ficando mais assustado, comecei abrindo a porta do quarto, depois acendi a luz e, na cena final, tive que me sentar na cama. É realmente um clássico do terror.

    O segundo filme só serviu para estragar tudo. O recurso da câmera no capacete eu até curti, mas aquela historinha de possessão foi DEPRIMENTE.

    E foi por isso que ignorei este terceiro filme. Que bom que você já deu a dica, é só “pular” o segundo, esquecê-lo e partir pro abraço. Vou assistir este terceiro então.

    Post a Reply
  2. hahahahaha, rachei com a GIF! REC 1 é classico top… o resto é dispensável!

    Post a Reply
  3. Discordo, e muito, do que vc escreveu. Quanto ao primeiro filme, concordamos, é realmente excepcional. O segundo, nem chega perto deste, o lance sobre possessão avacalha tudo, mas digamos que ele “passa”. Mas o terceiro, Jesus… Que bela porcaria, o pior dos três disparado.

    Enfim, minhas impressões sobre a franquia eu fiz nesta crítica: http://www.entretendo.com/critica-rec-genesis-lixo. Abs.

    Post a Reply
    • Mas ninguém tem que concordar em tudo, certo Miguel?
      Acho que o 2 é unanimidade mas o 3 eu gostei bastante. Achei divertido, se não fosse parte da trilogia eu teria gostado mais. Como tenho um imenso carinho pelo primeiro não admitiria nada além de algo maravilhoso o que deixa minha visão super imparcial.
      Mas dizer que o 3 é pior que o 2 pra mim nem pensar.. o 2 foi ódio mortal em todos os aspectos.

      Post a Reply
  4. Dani, faço das suas palavras as minhas.
    Ainda não vi REC 3, baixei e está aqui há um bom tempo no laptop. Ainda não tive coragem, pois minha reação com REC 2 foi a mesma da sua, ÓDIO!

    Também detesto essa história de possessão, prefiro muito mais a linha de vírus da raiva, com isso vemos REC como um prólogo de Extermínio até, não?

    AMO Rec, devo dizer que é meu filme de terror preferido e sua continuação, pavorosa. Assim como Abismo do Medo, que temos um excelente 1º filme e um 2º totalmente descartável.
    Vou dar uma chance pro 3º Rec, vamos ver…

    Post a Reply
    • E não é Jennifer?
      REC 1 é clássico … o 2 sem comentários.
      O 3 é divertido, vá de coração aberto mas não espere nada nem perto do 1.

      Post a Reply
  5. Eu acho os 3 filmes fantásticos, mas entendo quem não gosta das continuações. Os diretores brincam com gêneros diferentes na trilogia.

    O primeiro é mais terror puro, o segundo mais ação (as referências a Aliens me fizeram sorrir durante o filme, mas parece que sou exceção ou a maioria não notou).

    Já o terceiro faz inúmeras homenagens a um dos meus filmes favoritos – The Evil Dead II. Gênero do tipo love it or hate it, humor negro não é pra todos os gostos, mas eu me diverti horrores vendo o terceiro filme, que, pra mim, é indiscutivelmente o melhor da trilogia.

    O capítulo que tem mais problemas realmente é o segundo e eu tive a mesma reação que a Dani ao vê-lo pela primeira vez. Na segunda tentativa, no entanto, gostei bastante e acredito que o desenrolar da história da menina Medeiros é muito interessante (e já era de se esperar pelo final do primeiro). O problema é realmente subtrama com os adolescentes que além de ridícula e inverossímel, quebra o ritmo do filme. Uma pena. O jeito é engolir essa parte para poder curtir a trilogia como um todo.

    Post a Reply
    • Ai Eduardo, não diz que os três são fantásticos porque assim você me dá um soco no estômago. O segundo filme eu acho uma porcaria. E no primeiro filme a história da menina Medeiros ficou um tanto que no ar pois existia o material contando a história e a própria garota também mas até então poderia ser aquela situação tão comum de atribuir a forças sobrenaturais/ demônios algum problema do tipo.

      O terceiro eu confesso que vi de má vontade e depois de conversar com você tirei o ódio do coração e assisti de novo … risos
      E para minha surpresa eu gostei. Só achei que não combinou com a trilogia proposta. É um filme muito bom sim mas de maneira independente.

      Post a Reply
      • Ok, dizer que o segundo é fantástico talvez seja exagero. Mas eu discordo que seja tão ruim. E a ideia de misturar infecção com possessão demoníaca é algo diferente (nada genial, mas pelo menos não cai no lugar comum de todos filmes do gênero zumbi) e isso só é explicado no 2. Por isso ele tem seu valor.

        Quanto ao terceiro não se encaixar na trilogia, eu diria que precisamos do quarto pra poder analisar mais corretamente. Se o quarto for um filme mais sério de terror (e especialmente trazendo de volta o recurso câmera na mão), então será um tiro no pé, pois tornará o terceiro um ponto fora da curva.

        Mas eu espero do quarto mais um filme bem diferente em estilo. (O segundo já havia sido diferente, embora não tanto quanto o terceiro.) Dessa forma, a saga funcionará melhor e poderá ser vista como uma série de terror em que cada filme foi experimentado algo diferente.

        Post a Reply
  6. PRIMEIRO REC:UMA ÓTIMA SURPRESA,SEGUNDO:UMA PORCARIA ,E O TERCEIRO:NEM VI AINDA ,MAS JÁ QUE VC ESTÁ RECOMENDANDO DAREI UMA CHANCE,PENA QUE ESTÃO FAZENDO UM QUARTO,WHY???

    Post a Reply
  7. eu posso até tentar ver o primeiro mais o resto…Ecaaaaa

    Post a Reply
  8. O 1o é excepcional.
    O 2o filme, eu gostei.
    Já o 3o, achei apenas mediano.

    Post a Reply
  9. baixei o primeiro…pensei que não iria gostar, eu tinha até marcado que não queria ver, tomei coragem baixei e achei bom, nada impactante mais bom..mesmo assim não quero ver nenhuma das continuações..

    Post a Reply
  10. Não mesmoooooo!!! o 3 é um lixoo!!!Se eu quisesse ver um filme divertido iria assistir uma comédia.O Filme REc 1 é perfeito..Nenhum filme se compara a ele na linha de zumbi.Somente Exterminio2.As sequências não tinham q ser divertidos,somente seguir o curso e não mudar a história ou tentar fazer um humor trash.Decepção…isso resume as continuações.

    Post a Reply
  11. O 3 é fraquinho que doi,me explica uma coisa que fica confusa no 2 filme quando a pessoa era mordida quase que imediatamente ela era “possuida” nesse 3 o tio do Koldo leva a mordida do cachorro e leva quase um dia inteiro para ser póssuido e depois os outros ficaram quase que imediatamente possuidos apos as mordidas.O roteirista tem que se decidir vai ser instantâneo ou vai ser demorado?O casal foi bem mas a história se perdeu muito o 1 foi fantastico o 2 e o 3 parecem que foram feitos apos uma noitada de muita vodka e ressaca.

    Post a Reply
  12. Nossa, eu não esperava achar uma opinião tão diferente da minha. Sobre o primeiro filme concordamos e muito, para mim REC é uma das melhores experiências do cinema de terror moderno, e ganha mais importância para mim pela produção independente. Agora as nossas opiniões diferem em muito sobre o 2º filme: eu adoro esse filme e me assustei com a forma como você maldiz ele. Para mim REC 2 é uma sequência natural que se aproveita de todos os ganchos deixados pelo primeiro filme! Achei a ideia de possessão demoníaca com transmissão viral genial, algo realmente novo, e muito bem construído no segundo filme, revelando melhor o envolvimento do vaticano com o caso medeiros. Quanto a entrada dos meninos no segundo filme, esse gancho foi dado no primeiro filme por um dos moradores como opção de fuga, mas eles nem acabam tentando isso, o diretor não se esqueceu de nada deixado em aberto no primeiro filme, e desenvolveu muito bem no segundo! Quando ao terceiro filme, nem bom eu considero, para mim foi um desvaneio do diretor, ele parece ter se esquecido de todo o mote original, e nem sequer desenvolveu a continuidade da história. REC3 só mostra como o vírus se espalhou para além da pensão, mas não tem nenhum aprofundamento. Eu falo sem dó, foi um lixo, um dos piores filmes que vi na vida, e para mim foi a morte do franquia. Enfim, REC 1 e 2 para mim são obras primas s2

    Post a Reply
    • Olá Guido,
      Isso é normal e acredito que em filmes de terror, a discordância de opiniões acontece ainda mais do que em outros gêneros.
      😉

      Post a Reply
  13. Cadê review de REC4?

    Post a Reply

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.