Bedevilled – 2010

.

 

.

Já faz algum tempo que queria assistir Bedeviled mas fui colocando outros filmes como prioridade e fui deixando pra lá. Eis que tive uma ótima surpresa ao me deparar com esse filme sul coreano que nos brinda com um belo suspense e um drama que transborda incontáveis questionamentos.

Logo no início conhecemos Hae-Woon, uma jovem que traduz ao extremo o sentimento de isolamento das pessoas que vivem em grandes centros. Aparentemente sem nenhum tipo de ligação com as pessoas ao seu redor, ela prefere se manter longe o suficiente para não envolver-se com ninguém; seja no momento em que testemunha uma mulher sendo espancada em um beco, ela simplesmente fecha o vidro do carro e segue em frente como se não fosse problema dela ou  quando Hae-Woon ignora as súplicas de uma velha senhora no banco em que trabalha – lembrando muito uma cena do filme Arrasta-me para o inferno. Todo esse distanciamento dela com o resto do mundo é consequência dos pequenos atos de desconfiança e veneno que faz no seu dia-a-dia inclusive quando insinua que uma colega de trabalho está dando em cima do chefe.

Todo esse contexto que nos é apresentado é para conhecermos um pouco mais da natureza da solitária Hae-Woon que por uma atitude covarde é “convidada”  a tirar férias do seu trabalho e o único lugar que tem para ir é uma afastada ilha onde passou sua infância e não retorna a muitos anos. Chegando lá, ela reencontra a sua amiga dos tempos de criança: Bok-Nam, uma pessoa muito sofrida e como única mulher jovem da aldeia é constantemente abusada pelo marido e o cunhado, espancada, obrigada a trabalhar como um animal nas palantações e na apicultura para os mais velhos. A convivência das duas nesse lugar tão isolado parece transformar a personalidade de Hae-Woon mas isso é apenas uma ilusão. Presenciando toda a barbárie a qual Bok-Nam é exposta, cabe a ela tomar uma decisão: Ajudar a amiga a sair dessa prisão ou agir como sempre o fez… seguir em frente sem olhar para o lado.

Bedevilled é um filme denso, complexo, com duas personagens centrais tão antagônicas que parece um universo paralelo. Enquanto Hae-Woo é uma mulher fria, incapaz de se solidarizar com outra pessoa Bok-Nam tem uma doçura contrangedora. A chegada da amiga parece florecer um raio de luz em sua vida e mesmo após ser estuprada pelo cunhado, algumas  horas depois está sorrindo ao lado de Hae-Woo se oferecendo para lavar sua roupa e fazer sua comida. O afeto que Bok-Nam oferece, mesmo apenas tendo recebido agressividade durante toda a sua vida pode ser comovente. Tudo isso acaba quando ela se vê em uma situação limite e precisa do apoio da amiga para solucionar a situação mas quando o retorno não é o que se espera… um banho de sangue está para acontecer.

O filme é um espelho da nossa sociedade individualista, violenta, onde é muito mais cômodo fecharmos os olhos para os problemas do coletivo e seguir de forma egoísta e com uma distância segura. Em determindo momento do filme fica claro que todos nós devemos arcar com as consquências pelas nossas ações ou omissões. Fica a reflexão.

 

P.S.: Vocês podem estar se perguntando porque ultimamente a maioria dos filmes que trago para vocês tem uma classifcação alta na nota mas é que não estou muito entusiasmada para escrever dos filmes que achei ruim…

 

 

Related Posts with Thumbnails

Author: Dani Vidal

Dani Vidal (@danividal) é formada em Relações Públicas e autora do blog Feminina. Apesar de não dispensar um terror recheado de zumbis, chora copiosamente com um bom drama. Acho que nossa postura com a sétima arte é como se achar técnico de futebol. Ninguém é especialista mas todo mundo tem uma opinião e adora criticar a escalação.

Share This Post On

9 Comments

  1. Só pra constar: os melhores filmes de terror são os asiáticos mesmo? Esse é assustador já no cartaz!

    Post a Reply
  2. Rodrigo,
    Eu vi dois filmes asiáticos que não foram lá essas coisas não viu… vou escrever sobre ele um dia desses.

    Post a Reply
  3. Vi o filme depois de ler essa resenha e já está nos meus favoritos!
    Me lembrou Dogville, embora não seja tão bom quanto…

    Post a Reply
    • Que bom que gostou Gust.
      É um filme bem diferente do que estamos acostumados a assistir por aí.

      Post a Reply
    • Também achei que lembra Dogville. Muito bom e triste.

      Post a Reply
  4. Vou pegar esse para ver da qual é.

    Sobre os filmes ruim… faz um pacotão e faz uma resenha única. O Márcio criou o “esse era bala” e você cria o “nem pintado de ouro” hahaha.
    abraço.

    Post a Reply
  5. Filme bom e que faz refletir-mos sobre o quão perversa e individualista pode ser a humanidade ! Filme #Tenso

    Post a Reply
  6. Ví o filme e achei excelente!
    Bom enredo e bons atores, a atriz que interpreta Bok-Nam é apresar de toda a sua fragilidade perante a situação ainda se demonstra forte.

    Post a Reply

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.