Desaparecimento de Megan – Megan is Missing (2011)

Pela primeira vez vou me permitir quebrar as regras do blog e fazer uma classificação diferente. Eu darei duas notas, serão duas classificações.  Isso não será rotina, eu diria apenas que o filme a ser discutido merece essa divisão pois tem dois lados paradoxais que precisam ser separados e vistos de forma independente para não prejudicar o produto final. Vocês vão entender…

.

.

.

Michael Goi é um famoso diretor responsável por séries como My Name Is Earl e The Mentalist que resolveu fazer um filme independente e de baixo orçamento, a respeito de um assunto muito recorrente em sua vida. Devido a sua carreira, Michael passou anos estudando com consultores da polícia, investigadores, policiais e desenvolveu uma amizade com essas pessoas que passaram a frequentar seu círculo de relacionamentos. Uma coisa que o pertubava muito eram as histórias de predadores sexuais que sequestravam crianças e adolescentes e estes tinham um destino tão cruel quanto jamais nenhum filme poderia mostrar. A forma como isso acontecia e principalmente a frequência desses casos fez com que ele se assustasse ao ponto de sentir a necessidade de alertar aos pais dos perigos que seus filhos correm principalmente na internet.

Uma das coisas que me assustou bastante é que o filme diz: Baseados em fatos reais. Engraçado como isso torna qualquer filme mais bizarro. A questão é que em Megan is Missing, Michael utilizou sete casos reais para escrever o roteiro e cada situação apresentada foi retirada de algum desses casos escolhidos. A Amy original tinha apenas nove anos de idade! A narrativa é toda evidenciada por meio de cameras de celular, webcam e camera amadora pois foi assim que Michael via que os adolescentes se comunicavam, durante o período em que fez seu “laboratório” com filhos dos seus amigos, inclusive frequentando festas como as que são exibidas no longa. O filme mostra a história de Megan (14) e Amy (13) que apesar de terem personalidades totalmente opostas são melhores amigas. Megan foi abusada pelo padrasto quando era pequena e sua mãe a culpa até hoje pela prisão dele. Ela vive de forma desregrada, ingere bebidas alcoolicas, usa drogas e frequenta festas onde o sexo acontece de forma livre e violenta. Na outra ponta temos Amy, uma jovem estudiosa, amorosa, com um relacionamento muito próximo dos pais e que aos seus olhos ainda é uma menininha. Ela se sente isolada por se sentir careta, gorda, ser virgem e ter um olhar diferenciado em cima de todas essas liberdades que Megan tem. No final das contas o que Amy gostaria de ter é a beleza da amiga, a liberdade, o espírito selvagem e a auto-confiança da amiga. Enquanto isso, Megan daria tudo pra ter uma família como a de Amy, ser doce e inocente como a amiga é e ela jamais pode ser  nem quando era criança. Isso as torna ainda mais unidas.

O filme foca nas diferenças entre as meninas e em sua amizade verdadeira, tudo isso pra evidenciar a personalidade das duas e seus pontos fracos, o que será fundamental para a segunda metade do filme. Quando Megan conhece Josh na internet, nós – telespectadores adultos- imediatamente percebemos que ali não se encontra um adolescente como ele mesmo diz. A linguagem, o jeito, as pausas, são características de um adulto. Megan que se diz tão experiente e escolada, não percebe. Quando pela primeira vez, um homem a trata de forma cortês, sem dar em cima dela ou demonstrar que está apenas em busca de sexo, aparentando até certa timidez, deixa ela completamente encantada. É nessa hora que entendemos que aquela garota que se acha tão esperta, quando recebe uma demonstração de carinho “sincera” fica totalmente cega e não percebe o mais básico dos erros: Josh nunca ligou a camera. Ele é apenas uma foto no computador, um nome em site de bate-papo para skatistas.

Eu posso dizer que os trinta minutos finais do filme me trouxe uma terrível sensação de impotência. A violência que não é necessariamente exposta mas ao mesmo tempo tão absurda, choca de uma maneira que a muito tempo não vejo e isso não é algo parecido como mostrado em “Um Filme Sérvio”, onde a necessidade de chocar justificou as cenas e jogou o bom senso no lixo. E  Megan is Missing, já conhecemos tão bem aquelas garotas que quando o filme entra no seu ápice, a angústia quase lhe tira a respiração e os minutos finais, quando Amy usa as únicas armas que lhe resta é de partir o coração.

.

.

.

.

Quando o filme termina, estamos tão inseridos naquela realidade que não há espaço para análises e questionamentos técnicos mas até chegar neste momento, não tem como fechar os olhos para tantos furos que o roteiro mostra. Acredito que pelo fato do Michael Goi pegar sete casos reais e tentar transformá-los em um único filme deixou muitas brechas e situações onde os comportamentos não foram plausíveis. Tem muitos spoileres a seguir então, para ler, basta selecionar o texto abaixo:

– Entendo que Michael frequentou festas de adolescentes e vivenciou todas as situações mostradas no filme mas vamos com calma não é? Festas onde adolescentes com 13 anos bebem, usam drogas e transam daquele jeito é meio hardcore. Acho que o pessoal com que ele fez laboratório não espelha o cotidiano normal de boa parte dos jovens;

– Inicialmente, Amy não conta a polícia que Megan foi encontrar um rapaz que conheceu na internet. Isso já foi um erro mas procuro entender que ela era uma adolescente de 13 anos e não viu todo o risco que isso englobava. O problema é quando as autoridades ficam cientes que Josh foi o responsável pelo rapto da amiga dela, Amy continua utilizando a internet livremente. Onde estão os pais dessa mocinha?

– Quando Amy vai a público citar o nome de Josh e dar os detalhes que sabia da história, ela continua saindo sozinha, indo a lugares desertos e mais uma vez pergunto: Cadê os pais de Amy que eram tão presentes? Como deixar a menina solta com tudo isso acontecendo na vizinhança?

– Josh a ameaça virtualmente e ela não diz a ninguém. Tudo bem, ameaçar os pais da criança ainda é uma forma muito eficaz de mantê-lo calado e submisso mas isso não quer dizer não ter medo. Pois é isso que Amy aparentava, não ter medo! Ou se você tem uma amiga sequestrada, você é ameaçada e mesmo assim sai por ai sozinha????

– Os mecânismos eletrônicos utilizados para fazer a narrativa do filme deu um toque bem particular ao longa. Os momentos em que as meninas usam celular, webcam, video amador… é interessante. Quando o assassino usa a câmera de Amy é meio sem noção. Tudo bem que precisávamos saber o que aconteceria com elas de alguma forma mas a desculpa de que ele usou a camera, filmou aquilo tudo e depois jogou no lixo é meio… dããã. Será que em algum dos casos reais utilizados como referência, algum dos predadores sexuais foi tão burro assim?

– Quando o filme começa dizendo que foi baseado em fatos reais, achei oportunista. Os créditos mal subiam na tela que eu já estava procurando informações a respeito do caso de Amy e Megan na internet e para minha surpresa, não achei nada. Pesquisando bastante encontrei essas informações sobre a produção do filme e entendi que não foi um caso real e sim varios casos que serviram como recorte para fazer essa história.

Acho que o filme é uma lição para muitas crianças e adolescentes que não entendem o quanto estão expostos aos perigos e por se acharem muito espertos não percebem quando as coisas podem sair do controle. Cabe a todos nós como sociedade, vigiar. Quem sabe de algum caso de abuso e não denuncia, é tão culpado quanto quem o comete pois a omissão é a arma também da impunidade.

Desaparecimento de Megan ( Megan is Missing – 2011)

Drama, Suspense.

Dirigido por Michael Goi. Atuações de Amber Perkins, Rachel Quinn e Dean Waite. Duração: 85 min.

 

Related Posts with Thumbnails

Author: Dani Vidal

Dani Vidal (@danividal) é formada em Relações Públicas e autora do blog Feminina. Apesar de não dispensar um terror recheado de zumbis, chora copiosamente com um bom drama. Acho que nossa postura com a sétima arte é como se achar técnico de futebol. Ninguém é especialista mas todo mundo tem uma opinião e adora criticar a escalação.

Share This Post On

40 Comments

  1. Não li o Spoiler, pois fiquei super curioso com o filme. Não conhecia e fiquei com muita vontade mesmo de conferir 🙂

    Abs.

    Post a Reply
    • Depois que assistirem vão entender o porque das duas notas. O filme não é bom por causa dos furos no roteiro, mas mesmo assim ainda vale a pena.

      Post a Reply
  2. Tem um tempo que estou com ele para assistir e agora depois da sua crítica (pelo menos a parte superior, eu também não fui pros spoilers) vou colocá-lo em prioridade hehehe.

    Post a Reply
  3. gostei da premissa, fiquei com muita vontade de ver o filme! parece bom

    vi os spoilers (nem me importo), não sei o quão “hardcore” é a tal festa, mas sei lá, essa juventude de 13, 14 anos com toda a informação que tem, parece que saber cade vez menos o que está fazendo

    Post a Reply
    • É Luiz.. acho que eu é que era muito bocó mesmo quando tinha essa idade =)

      Post a Reply
      • Na verdade, você não era bocó. Você tinha a mentalidade certa na idade certa, o que não acontece atualmente.

        Post a Reply
  4. Dani, acabei de ver o filme e até entendo você ter dado duas notas. É realmente chocante, apesar da gente saber que existem milhares de predadores virtuais por aí e casos como o mostrado (foram alguns casos mesclados, mas é isso hehehe).
    .
    .
    .
    SPOILERS
    .
    .
    Não tem como não discutir sem falar dos spoilers. Realmente é algo surreal o sequestrador filmar tudo o que fez e depois jogar no lixo com tudo gravado, acho que bastaria continuar a trama como “um filme norma”, mostrando o que iria rolar e pronto. Sem a necessidade do “câmera na mão”, afinal essa atitude não seria plausível por mais imbecil que fosse o sujeito.

    Quanto aos exageros na festa querida Dani, fomos de um mundo diferente mas te garanto que hoje em dia rola coisa muito próxima do mostrado nesta festa. No cinema as vezes é preciso exagerar um pouco pra chocar, mas drogas e sexo rola sim darling, infelizmente.
    .
    .
    SPOILERS OFF
    .
    .
    .
    De qualquer forma o resultado geral é positivo, que sirva de alerta (eu não sei como ainda existem pais que precisam de alerta, mas existem) para os cuidados que devemos ter com as crianças e a internet, não precisa ser nada muito invasivo, mas é preciso ter um acompanhamento.

    Post a Reply
  5. Márcio,
    Eu fiquei com muita pena da Amy. O final dela é muito chocante, mais até do que se tivesse numa das armadilhas do JigSaw.

    E infelizmente o filme tem muitos furos. É uma pena pois com uma idéia tão bacana, ele tentou seguir os casos que estudou e meio que deixou de lado uma coerência que se fazia necessária.

    Post a Reply
  6. Concordo com vc e entendo o pq das suas notas… tb procurei o caso na net antes de terminar o filme.

    Spoiler

    O roteiro tem alguns furos e precisava de um desenvolvimento melhor, mas o que pesa no filme é a idéia, a parte psicológica e demonstrar como os predadores conseguem convencer as suas vitímas – e na adolescência é bem mais fácil consideranto o momento turbulento.

    Os momentos finais foram horriveis, não foi nada evidenciado… mas de saber que aquilo ocorre é muito tenso.

    Post a Reply
    • Também acho Débora… embora eu tenha ficado me sentindo um pouco enganada quando disse que era baseado em fatos reais. Achei que era a história de Megan e Amy.

      Acho que o sentimento final nos faz deixar as falhas no roteiro em segundo plano.

      Post a Reply
  7. não tive coragem de assistir esses 22 minutos. depois que as fotos apareceram do nada na tela do computador, cheguei à conclusão que sou nova demais para ter insônia :S
    você poderia ter feito uma crítica detalhada do filme, para os medrosos como eu. haha
    gostaria muito de ler sobre esses 22 minutos, seria muito menos aterrorizante.
    o filme em si é bobinho, tão bobinho que quando aparecem as fotos do nada, eu até assustei…
    nunca mais vejo esse filme, isso porque nem consegui chegar no final.
    vi um .gif da parte do tambor, e MEU DEUS, hoje eu não durmo…

    Post a Reply
    • Maria, não posso contar muitos spoilers aqui mas acho que vai ficar na curiosidade… melhor não ver mesmo porque eu achei bem forte
      =/

      Post a Reply
  8. Acabei de ver o filme e logo procurei na net alguma critica.
    Achei o filme bem chocante… acho que desde o Martyrs não ficava neste estado de choque em que me encontro… e agora o Martyrs nem parece tão cruel assim…
    O pior é imaginar que coisas assim ocorrem de verdade… filmes de espíritos que assustam e dão medo ou de assassinos em série que matam suas vitimas de formas criativas, no fundo sabemos que existe algo de fantástico (a nao ser que vc seja espírita, claro, ai vai acreditar em vida após a morte, alias eu ate acredito…mas creio que existam espiritos de luz, também, enfim…).
    mas quando o horror fica próximo da realidade… enfim… achei um filme bem forte… é muita crueldade… alias me pergunto por que gosto de filmes assim, talvez seja para exorcizar a violencia que existe em nossa sociedade, pois só mesmo uma brutalidade mais brutal que a violencia da nossa sociedade para nos devolver a sensibilidade em relação à necessidade de amor, carinho e respeito entre os seres humanos… enfim… paro por aqui, mas filme chocante, eu achei…cruzes!

    Post a Reply
    • Pois é Alessandro,
      Não sei se posso comparar com Martyrs porque o sentimento é meio diferente… em Desaparecimento de Megan fiquei o tempo todo com aquilo na cabeça: “baseado em fatos reais”

      Post a Reply
  9. Olá Dani. De fato… Martyrs gera outras matizes de vivências… mas penso sobre a brutalidade… quando o cara chega e espanca a segunda mulher presa… foi horrível… e o final, então… bom, o A Invasora também é bem brutal… Baby Blues também… enfim, colocaria todos eles na categoria ‘chocantes’, rsrs…

    Mas enfim, aguardo novas análises tuas, sempre recomenda bons filmes e faz análises interessantes! (e de fato, o Vingança de Jennifer original é bem mais brutal que esse remake moderno…).

    abs.

    Post a Reply
  10. Vi o filme e fiquei aterrorizada com o que aconteceu com as meninas. duas meninas que tinham uma vida inteira pela frente. uma vida interrompida pela monstruosidade de um “ser” que acho que não podemos definí-lo como homem, mas sim como um monstro.
    Esse filme serve de alerta para muitas famílias que acham que isso só acontece em filmes, não acreditam que isso vá acontecer conosco. pois em filmes tem muita ficção, muita montagem, enfim, muitas pessoas de uma certa forma fecham os olhos para essa realidade.
    Acham que basta simplesmente colocar um computador no quarto de sua filha e ela vai ficar jogando paciência no pc.
    não querem saber quem são suas amizades no orkut ou msn.
    Tenho uma filha de 16 anos, e sempre procuro saber com quem ela está conversando no pc. inclusive instalei um espião, um meio de precaução.
    fiz questão de que ela assistisse à esse filme. Embora tenha sido extremamente chocante, quero que ela saiba que infelizmente é assim que acontece.

    Post a Reply
  11. puta filme do caralho, fikei com muita raiva no final, totalmente tenso, recomendo, assim como doce vingança, o colecionador de corpos, husk, mas achei um pouco parecido com tapes (outro com imagens de câmera), mas na moral, no começo achei fraquinho mas me interessei a partir do momento que a megan conhece o fdp da internet…
    para os pais desavisados, serve de alerta, esse filme tem que ser obrigatório para os pais que deixam os filhos na internet…

    Post a Reply
  12. achei meio fraco no começo mais pasei a ficar tenso nos ultimos minutos finais fiquei curioso pra saber o que aconteceu depois e oque as autoridades do local estao trabalhando ainda no caso ou dera por inserado assim mesmo.

    Post a Reply
  13. nossa eh muito dificil achar informacoes sobre esse filme.. o seu blog foi o unico com mais conteudo!!! acabei de ver… to chocada!

    Post a Reply
  14. Ótima crítica! Concordo com tudo que foi dito e ainda bem que logo achei esse site explicando que realmente não foi aquilo que aconteceu, e sim os 7 casos como dito. Terminei o filme chocado, e pensando “como alguém poderia simplesmente jogar uma câmera com tudo gravado no lixo de um parque?”. Enfim, parabéns pelo site.

    Post a Reply
  15. Olha Dany, tenho 40 anos , não tenho filhos ainda.Eu apenas quero deixar quase como um agradecimento a sua disposição de nos alertar de que não é literalmente um filme real, apenas apanhados de casos acontecidos, mas que não se passaram com essas duas meninas exatamente como foram mostrados.
    Eu tambem não consegui assistir os 22 minutos, não.E sei lá acho que contem muitos furos tambem porque me parece impossivel que essa “besta” tenha conseguido não deixar um único erro pelo caminho.
    Enfim , parabéns pelo seu comentário e pelo seu discernimento , pois , infelizmente isso hj em dia são raros de se ler.

    Post a Reply
  16. 1º Adorei a critica e voce fez algo que muitas das pessoas que disponibilizaram o filme para download não fizeram- referir o quão chocante e tenso o filme fica.
    ————SPOILERS————-
    2º Não vou referir mas ouve alguém que disse que não viu os últimos 22 minutos. Não tem problema pq na minha opinião as imagens foram bem piores.
    Eu acabei sendo uma pirralha pequena ao chorar, sim pq as palavras de factos reais e as imagens deixaram-me apavorada que até chorei de medo. Chorei mais de emoção quando no final mostrou o clip delas a falarem do que queriam ser e o que iam fazer na vida…triste que muitas crianças e adolescentes como eu são raptados, abusados, mutilados e mortos hoje em dia.
    acerca dos furos, só reparei neles quando vi a sua critica. o maior deles todos devo dizer que foi o da Amy sendo raptada quando se encontrava sozinha. A amiga foi raptada por um gajo que ela conheceu na net e os pais da amy deixaram ela andar sozinha e a falar com qualquer um?!! Mas que raio?!! ainda penso naquelas imagens… fogo,aquilo é demais para mim. De resto obrigada pela critica 🙂

    Post a Reply
  17. tomei corragem para ver o filme, mas a partir do momento em que o raptor coloca a camara emcima da mesa onde tinha mutilado a Megan e vai buscar a Amy, não consegui mais. É muito aflicção, muita sensação de impotência e muito horror. Para mim não há palavras para descrever o que senti ao ver o filme. Gostava de ter coragem para ver o resto mas acho que não. Tenho um filho e deveras fico muito apavorada com o futuro dos jovens, em especial do meu.
    Alerta, sim definitivamente, apesar de estar sempre alerta..
    Não consegui ver o final, mas pelo decorrer da história penso que ele deverá ter assassinado as duas meninas…. MONSTROS!!!!

    Post a Reply
  18. Esse filme é muito tenso, quando terminou eu pensei : ãnn? e agora? rsrs, deixa aquela sensação de medo, de estar de mãos atadas e não poder ajuda-las. Horrível, estou com ele na cabeça ainda.

    Post a Reply
  19. Eu tinha pego esse filme há uns 6 meses pra ver , mais só vi o comecinho . Ate que um dia desses tava procurando um filme pra ver e achei esse , há principio achei chato , mais ficou interessante quando ela conheceu o “maniaco” josh , foi uma pena por que minha coragem só durou até a foto 1 , na mesma hora entrei nas minhas redes sociais e exclui as pessoas que não conhecia pessoalmente , fiquei realmente com muito medo

    Post a Reply
  20. Bom eu concordo com o Dani Vidal realmente o filme tem muitos furos.

    Post a Reply
  21. Ainda não vi,mas li o conteúdo com spoiler e não tem nada que desagrade quem não viu o filme, não me interessei pelo filme, e como disse o filme tem muitos furos então deve ser ruim ñ?
    Eu tenho 13 anos e nessa idade as pessoas já sabem o que é certo e errado e tá escrito que as garotas são muito “bobas” né.

    (off) Dani vc tem quantos anos?

    Post a Reply
    • Vale a pena Patrick. Se com tantos furos o filme ainda é muito bom dá pra imaginar que vale a pena..
      e eu tenho quase 30.

      Post a Reply
    • Saber o que é certo ou errado não impede as pessoas de serem enganadas e iludidas.

      Post a Reply
  22. Eu já assisti Trust, esse parece ser meio parecido. Vou ver se assisto, mas não consigo digerir muito bem filmes que lidam com predadores sexuais.

    Post a Reply
  23. Fiquei enjoada só de imaginar ela trancada naquele barril =/

    Post a Reply
  24. Eu tenho 14 anos e vi o filme, achei um tanto chocante. Já fui enganada mais de uma vez na internet, mas sempre procurei ter detalhes sobre as pessoas ao máximo. Uma dica: a camera não comprova nada. Já conheci alguém que apareceu na câmera pra mim e no final era um corte de video, haviam alguns detalhes que faziam meio perceber que era um corte, mas temos que tomar muito cuidado. Meu maior medo é ser sequestrada, mas depois de ser tão enganada eu sou tão desconfiada de tudo e todos e de certa forma acabo correndo menos risco, pois não abro tantas brexas para deixar que façam algo comigo.

    Quanto as cenas da festa, bebida eu garanto que tem e bastante, drogas eu só conheço casos com pessoal um pouco mais velho, mas também porque não frequento festas com esse tipo de otário. Sei de várias garotas mais ou menos de 13, 14 anos que não são mais virgens, apesar de achar ridiculo acontece, mas não vejo isso como algo tão recorrente quanto é mostrado no filme.

    Post a Reply
  25. em relação ao fato do Josh “jogar a câmera fora”, certeza que foi só mais uma demonstração do sadismo do cara! assim como outros casos em que os criminosos filmam e mandam fitas pras famílias, com certeza ele quis filmar absolutamente tudo e quis que outros vissem também. Acho que a principal prova disso é o fato de não mostrar a cara dele, ou durante o estupro não mostrar o ato em si, só o rosto da Amy, acho que se fosse um filme “pra ele” ele filmaria mais detalhes, no entanto ele foca apenas na Amy e em suas reações, já que é o que mais chocaria quem encontrasse a câmera

    Post a Reply
  26. Ainda não assisti esse filme, mas quero assistir. Eu assisti Trust por ordem do meu pai, que percebeu que eu estava me comunicando com pessoas ”estranhas” na internet. Olha, acho q vocês deveriam dar um voto de confiança pra gente, porque, se um dia sofrermos algo, como vamos confiar em desabafar com nossos pais ou com adultos de confiança se não tivermos certeza de que eles não vão nos julgar? Olha, uma amiga minha, Izabela, conheci na net, sei quem ela realmente é, tenhos fortes laços com ela e não quero que minha amizade com ela acabe. Mas, meu pai fez eu excluir todas as minhas redes sociais, e realmente fico muito triste com isso. Detesto fazer coisas escondida, mas não posso imaginar minha vida sem a Iza, que sempre me apoia quando estou certa e me corrije quando estou errada. Enfim, só digo uma coisa: instalar um espião no pc antes mesmo de seu filho ou filha ter feito algo que o leve a questionar se deve confiar ou não nele, é um ato horrível. De fato, instalar um espião no pc é um ato que eu considero justificável somente se feito em última instância, quando não tiver mais nenhuma outra solução menos invasiva.

    Post a Reply
  27. na vida real acontece a mesma coisa do filme, tomam muito cuidados crianças e adolescentes os pedofilios se fingem de pessoas legais mas eles nao sao legais.nao entram em salas de bate papo como na internet e celular, nao de seus dados para pessoas deconhecidas, se alguma pessoa desconhecida perguntar onde vc mora?nao fala.
    nas salas de bate papos tem muitos pedofilios cuidados crianças e adolescentes e mais… nao passam seu email para nenhum estranho nao adc pessoas q vc nao conhecem.

    Post a Reply
  28. Hmm, eu já assisti esse filme. Também achei meio dãar algumas coisas, por exemplo, a Amy continuar falando com o Josh com aquela poker face dela, tipo, eu não teria estomago pra falar com o sequestrados da minha amiga com tanto sangue frio. Ainda mais com ele me ofendendo, né, mas okay. E os minutos finais, por mais dãaar que seja, eu achei bem interessante, estou meio que familiarisada com filmes que abordam esse assunto e cenas assim nem sempre são postas à mostra. Achei uma boa aposta e deu toda uma realidade.

    Post a Reply
  29. Concordo com os furos, mas tem mais um: Que barril era aquele, que a menina não podia sair dele? Quer dizer, seria só empurrar a tampa, oras….

    Post a Reply
  30. fiz a burrice de assistir ele a noite dai nao conseguia dormir fiquei com o psicologico abalado, somem mtas crianças no mundo todo mas a gnte nao para pra imaginar oque esses doentes fazem com elas antes de mata-las quem tem cabeça fraca nao deve assistir!

    Post a Reply

Trackbacks/Pingbacks

  1. Confiar - Trust (Crítica do Filme) | Porra, man! - [...] também teve seu crédito. Acreditava que o filme teria uma idéia muito parecida com a do filme Desaparecimento de…

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.