O Mistério de Grace – Grace 2009

.

.

.

.

Michael e Madeline são um casal normal na tentativa de ter um filho. Depois de dois abortos espontâneos, Madeline consegue finalmente engravidar. Ela tenta levar uma vida tranquila e saudável, é vegetariana e decidida a ter um parto natural, com uma parteira e fora do hospital enquanto faz o possível para não se alterar com a sogra controladora. Infelizmente, o casal sofre um acidente de carro e Michael não sobrevive, nem o bebê. Decidida a levar a gravidez adiante, mesmo com o bebê já morto na sua barriga, Madeline quer ter a criança de uma forma natural e se despedir do bebê e enterrá-lo. O problema é que ao nascer, inexplicavelmente, Grace volta a vida e com um gosto incomum: Ela não se alimenta de leite. Ela se alimenta de sangue humano.

Quando o filme começa, entendi O Mistério de Grace como um drama. Madaleine, apesar de demonstrar determinação nas suas decisões, lembra muito um bichinho amedrontado. De poucas palavras, evita entrar em confronto direto com a sogra, você não a vê interagindo muito com outros personagens do filme, vizinhos, amigos ou qualquer outra pessoa. Parece inclusive que o circulo de relacionamento dela se restringe ao marido, parteira e sogra.

O divisor de águas acontece – o acidente de carro – é como se o mundo de Madeline houvesse ruído. Ela perde os únicos laços que possui: marido e filha (Madeline estava grávida de oito meses). Ela entra num campo de força invisível, uma depressão que por pouco não lhe custa a vida. Pode parecer loucura ela querer manter a filha, mesmo declarada morta, dentro do seu ventre mas é uma forma que ela encontrou de não abrir mão do bebê, de não perder a unica coisa que a mantinha de fato viva… a vontade de ser mãe, o unico laço de família que restou.

Ao contrário do que se imagina, Grace nasce de um parto natural. Sem sinais de vida é um natimorto – feto que morre dentro do útero. Depois de um tempo abraçada ao bebê ele dá um suspiro e surpreendendo a todos, volta a vida sem qualquer explicação. Neste momento o filme muda o foco de drama para o terror e o que era um sofrimento de uma mulher que sonhava em ser mãe, muda para uma mulher que fará de tudo para proteger sua filha. Mas proteger por que? Simples! Grace rejeita o leite materno. Ela tem sede de sangue humano.

No decorrer do filme, mudei de opinião algumas vezes. Achei que ia bem, depois passei a achar indiferente, depois vi coisas incrivelmente bizarras – no péssimo sentido mesmo. A atuação de Jordan Ladd está incrível, o problema é que o filme se perde um pouco naquilo que quer focar. Entendo que um bebê fofo se alimentando de sangue, por sí só, já é uma coisa assustadora mas não classifica como terror, não neste caso. O drama é bem trabalhado e poderia ter sido a abordagem principal pois Madeline vai fazer de tudo para salvar seu bebê e alimenta-lo, mas a que preço? E a medida que o bebê crescer, como as coisas serão? Não posso esquecer de mencionar todas as aparições da sogra de Madeline e especialmente quando ela resolve que vai conseguir a guarda da criança, decide que vai amamentar a neta! Isso inclui induzir a produção de leite em si mesma, visto que já uma senhora de idade, para isso conta com a ajuda do marido na hora do “estímulo” e também de um sugador mecânico. Isso por sí só já bizarro o suficiente.

Estou para assistir este filme a algum tempo principalmente depois de saber das reações da platéia no Festival de Sundance. Alguns até desmaiaram durante o filme. Não entendo o porquê, não vi motivo algum para isso. Como um filme cult ele se encaixa melhor, tem boa fotografia, edição e os atores são perfeitos para cada papel, mas como terror é um bom drama.

Related Posts with Thumbnails

Author: Dani Vidal

Dani Vidal (@danividal) é formada em Relações Públicas e autora do blog Feminina. Apesar de não dispensar um terror recheado de zumbis, chora copiosamente com um bom drama. Acho que nossa postura com a sétima arte é como se achar técnico de futebol. Ninguém é especialista mas todo mundo tem uma opinião e adora criticar a escalação.

Share This Post On

4 Comments

  1. Concordo que beber sangue não faz um filme de terror, mas, sim, é uma história estranha.

    Vanessa Sagossi
    comentandoofilme.blogspot.com

    Post a Reply
  2. Pois bem. Preciso ver este filme, a premissa dele é bem interessante. Vc ficvou bem dividida em relação ao filme né Dani ? hehehe
    Abs. =)

    Post a Reply
    • Alan,
      Não muito… eu achei a idéia itneressante mas o filme fica muito solto. Eu não assistiria de novo, digamos assim. Não foi perda de tempo mas eu diria que ele tenta ser um terror mas não cola.

      Post a Reply
  3. Nossa! Que premissa! Que ideia!
    Dani, achei bem original (me lembrou uma certa centopeia, kkkkkkk).
    Já tá na minha lista!

    Post a Reply

Trackbacks/Pingbacks

  1. Tweets that mention Crítica: O mistério de Grace | Porra, man! -- Topsy.com - [...] This post was mentioned on Twitter by Dani Vidal , Marcio Melo. Marcio Melo said: Mais uma obra polêmica…

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.