[Esse Era Bala] – Jiraya, O Incrível Ninja

Quem foi criança na década de 80 (até início dos anos 90 também vale) sabe o fascínio que as séries japonesas ‘Tokusatsu’ traziam para a gente, não é a toa que vira e mexe elas aparecem aqui na sessão mais nostálgica deste blog.

Dentre os grandes seriados deste gênero, “Jiraya, O Incrível Ninja” era um dos meus favoritos. Era fácil me ver nos intervalos da escola correndo e gritando: “Espaaadaaa Olímpica!”. Não era nenhuma alusão as olimpíadas, mas sim a uma das mais ‘célebres’ frases ditas pelo Ninja Jiraya.

O sucesso que Jiraya fez no Brasil se deve também ao fato de ter fugido um pouco (na época em que ele passou) do que era costumeiro, trazendo ao invés de um herói cheio de poderes e artimanhas robóticas, uma pessoa ‘comum’ sem superpoderes inserida no mundo dos ninjas e feiticeiros malignos. Tinha até o Lion Man nessa vibe ‘samurai’ e tal, mas não conta né? Lion Man está em outro nível e foi inclusive o primeiro a aparecer aqui no “Esse Era Bala!”.

Sobre o Seriado:

Sekai Ninja Sen Jiraiya foi lançado no Japão no de 1988 terminando um ano depois com um total de 50 episódios, numa produção da Metal Heroes. Aqui no Brasil só veio aparecer no final do ano de 89, distribuída pela clássica Top Tape e exibida na extinta Tv Manchete com o nome de “Jiraya, O Incrível Ninja”.

Depois do fim da Tv Manchete, o seriado ainda passou na Rede TV! de 1998 até meados de 1999 e, atualmente, parece que ainda é exibido num canal portoalegrense chamado Ulbra Tv, que passa vários desenhos e séries clássicas como esta.

Vídeo de abertura:

Cantem comigo:

Ninja Jiraya, Ninja Jiraya, Ninja Jiraya, Ninja Jiraya
Nós queremos um herói pra defender
E que busca força dentro do seu coração
Ela é a força, pra nos defender
Acreditamos numa nova era
Em que o poder e o amor vai sempre existir
Ele é a força, pra nos defender
E vive emoção e luta pela vida
Acredita que o bem vai dominar…
Jiraya, vive o momento
Jiraya, é nossa proteção
Assim é Ninja Jiraya…

História

A série conta a história do jovem Toha que foi criado e é treinado por Tetsuzan para ser o sucessor da família Togakure, ele guarda metade da inscrição para um tesouro que é objeto de desejo de todos os ninjas do mundo. Este tesouro pode conceder grandes poderes a quem possuí-lo. A outra metade da inscrição pertence a o maligno Dokusai e a família de feiticeiros.

Personagens

O ator Takumi Tsutsui que interpretava Toha/Jiraya na época tinha apenas 24 anos. Era sempre emocionante o jeito como Jiraya empunhava a espada e lançava um “Não o perdoo!” e o melhor claro, “Espada Olímpica!”. Fora as suas poses de ninjas que eram sensacionais (na época ao menos eu achava). Além dele existiam outros personagens marcantes:

Heiha Yaghiu (foto ao lado): Iniciou como uma espiã inimiga de Jiraya para em seguida se tornar uma grande aliada. Descobriu-se com o decorrer da série que ela tinha sangue de extraterrestre, e este era o motivo de seus olhos brilharem. “É o mesmo brilho da espada olímpica!”, exclamava Jiraya nos capítulos iniciais da série.

Eminin Emiha: Era irmã de Jiraya. Era chamada de Key e participou de vários capítulos da série e era bastante esperta e corajosa, tendo inclusive salvo Jiraya algumas vezes. Mais uma mocinha pra ‘alegrar’ um pouco este seriado cheio de feiticeiros e ninjas.

Outros personagens de destaque: Tetsuzan Yamashi e Manabu Yamashi.

Eminin Emiha, Tetsuzan Yamashi, Manabu Yamashi e Jiraya

Frases Marcantes:

São poucas mas apareceram em todos os episódios:

  • Não o perdoo!
  • Espada Olímpica!
  • Sucessor de Togakure… Jiraya!

Curiosidades:

  • O nome original da espada de Jiraya é Jikkou Shinkuu Ken, que significa Espada do Vácuo Luminoso Magnético. Como obviamente este nome iria ser muito grande e pouco chamativo para ser dublado no Brasil, escolheram Espada Olímpica!
  • A escolha do nome “Espada Olímpica” não tem bem um porquê, nunca foi explicado (aposto que foram dorgas manolo). A possibilidade mais certa é que foi devido aos jogos olímpicos que aconteceram no Japão um ano antes do seriado aparecer por aqui.
  • Outra “adaptação” na dublagem brasileira foi a do evento Guerra Mundial dos Ninjas que virou Ninja Olimpíada (a olimpíada dos ninjas).
  • O ator Takumi Tsutsui (que interpretava Jiraya) veio ao Brasil algumas vezes em eventos ‘nerds’ como o Ressaca Friends no ano de 2004 – neste ele veio acompanhado do Hiroshi Watari que fez Sharivan, Spielvan e foi o companheiro Boomerman de Jaspion) – e também em 2008 no Anima World (Porto Alegre) e Anima Friends (São Paulo).
  • O ator que interpretou o personagem Tetsuzan Yamashi (mestre de Jiraya) é fundador da Bujinkan (Casa do Guerreiro Divino), uma instituição que ensina o Ninjutsu (arte marcial dos Ninjas). O mais incrível é que ele é realmente um grande guerreiro no mundo real sendo Grão-Mestre da tradição ninja Togakure Ryu, que é citada na série
  • Existem algumas contradições a respeito do sucesso da série lá no Japão, onde alguns dizem que não obteve tanto sucesso, tendo seu ‘boom’ e grande reconhecimento apenas no Brasil, como ocorreu com Jaspion. Só que por ter 50 episódios, alguns acreditam que seja prova suficiente para confirmar o sucesso lá fora também.
  • O ator que fez o personagem chamado Manabu (Takumi Hashimoto), representou o mesmo papel em outro seriado Tokusatso clássico, Jiban.
  • O ator Shouhei Kusaka, que interpretou o ninja Kaminin Oruha foi o mesmo sujeito que no ano seguinte interpretou o personagem título em Policial de Aço Jiban.
  • A atriz Michiko Enokida (Kazumi) interpretaria no mesmo ano a paranormal Kyoko Matoba em Kamen Rider Black RX. E no ano seguinte, a policial Yoko Katagiri em Jiban.
  • O carro de Jiraya, Black Storm, é o Nissan 300ZX T-Top 1988, com motor V6.

Fontes: Mundo Otaku, Wikipédia.

Related Posts with Thumbnails

Author: Márcio Melo

Analista de Sistemas, amante da sétima arte desde os tempos imemoriais e com muito sangue nerd fervilhando em veias hipertensas, fundou o Porra, Man! com o intuito de comentar sobre cinema de forma descomplicada e fácil de entender. Nas horas vagas torce prum time que nunca vence e mata monstros que não existem.

Share This Post On

12 Comments

  1. Ê, lembrança boa… Nessa época teve uma febre ninja. Muitos filmes e seriados tinham essa temática. Ainda me lembro das tardes na Manchete, muita coisa divertida pra uma criança assistir.

    Abraço.

    Post a Reply
  2. Sensacional lembrança. Ao lado de Changeman e Cybercops, era o meu favorito!

    Post a Reply
  3. Ari Cabral, a Tv Manchete fazia mesmo a nossa alegria, não só com estas séries mais também com ótimos desenhos.

    Rodrigo, eu também adorava estes. Cybercops já publiquei por aqui e Changeman está na pauta também e mais a frente deve aparecer por aqui!

    Post a Reply
  4. Fóda!! curtia muito.

    Post a Reply
  5. No final o seriado ficou sem noção com direito a robô gigante e as porra. Não lembro se eu assisti até o final.

    Post a Reply
  6. Nem lembro muito desse robô gigante, mas tinha umas ondas alienígenas e tal, deve ter sido algo do tipo.

    O final destes seriados era algo foda de se conseguir assistir porque reprisavam até você não aguentar mais naquela época. Mesmo assim eu lembro que vi o final de Jaspion!

    Post a Reply
    • Bons tempos mesmo Paulo, volta e meia eu relembro algo dessa nossa queria época.

      Post a Reply
  7. Pra mim, estes desenhos exibidos na antiga TV Manchete das décadas de 1980 e 1990 são 1000 vezes melhor do que um tal de Ben 10 da vida de 2011

    Post a Reply
  8. alguma tv devia apresestar esse antigos heróis .certamente teria. muita audiência.

    Post a Reply
  9. epoca boa galera,jiraia foi a melhor no meu pono de vista.
    vanderlei may de palhoça,santa catarina

    Post a Reply
  10. Obrigado a rede manchete que nos trouxe o tokusatsu. Obrigado a os responsaveis q tiveram essa ideia. Pra sempre jyraia

    Post a Reply

Submit a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>