Soldado Universal 3 – Queima essa Porra!

Ao contrário de mim que sou extremamente fissurado e, tivesse tempo, assistiria mais de 5 filmes por semana fácil, o meu pai não tem lá esse amor todo pelo sétima arte. Raramente para (sem acento é triste) pra assistir algo em casa. Ir em algum cinema da cidade então nem pensar.


Existem aqueles dias no ano (geralmente 1 ou 2) que bate uma vontade nele de assistir algo só para ver o ‘Home Theater‘ lá de casa estourar todas as caixas e, como não poderia ser mais comum, sua predileção é por filmes de “porrada“.

Certo dia ele apareceu em casa com alguns DVDs de má procedência dizendo que pegou dentre eles um excelente filme de Van Damme, recomendado obviamente pelo vendedor. Acredito que o último (e talvez único) filme que ele assistiu com o ator tenha sido “O Último Dragão Branco” em algum domingo maior da vida. A ‘película’ em questão foi “Soldado Universal 3 – Regeneração“.

Soldado Universal 3 – A Regeneração

Eu mal me lembrava do primeiro filme desta “indispensável” trilogia, muito menos assisti o segundo, mas só pela capa e pela sinopse, percebi que não precisava me preocupar com isto. Encarei o desafio sem nem pestanejar, assistir a um filme com meu pai é algo que deve ser aproveitado sempre que essa rara oportunidade surgir.

Neste terceiro filme da saga, chamado por aqui de “A Regeneração” e que foi lançado direto em DVD este ano (e se alguém o assistir vai descobrir facilmente o porquê), temos a volta dos ‘astros’ do primeiro filme Jean-Claude Van Damme e Dolph Lundgren, que fez o grandão Ivan Drago de Rocky IV e também o He-Man daquele filme para ser esquecido “Os Mestres do Universo”.

Na trama vemos o soldado ‘especial’ Luc Deveraux (Van Damme) retornar à ativa para combater a nova geração de soldados modificados. Ele estava num programa de recondicionamento à sociedade, porém tem que ser chamado como última esperança para deter uma ameaça na usina de Chernobyl por pessoas que estão utilizando estes supersoldados, dentre eles um da “5º Geração” que está detonando geral. No meio desse fuzuê todo ele ainda reencontra um velho conhecido, o soldado Andrew Scott (Lundgren).

Não sei para que trouxeram Van Damme e Lundgren para atuarem como COADJUVANTES inúteis numa trama deprimente. Para vocês terem ideia, o grande vilão é um lutador de Jiu Jitsu (de verdade) que interpreta muito bem um soldado modificado geneticamente que tem bastante força e praticamente zero de cérebro. Analisando por este lado, é uma atuação digna de Oscar.

 

 

Van Damme e Lundgren em momento romântico

Porra, Man! O pior de tudo é que no final tem uma deixa para continuação. Se já chegaram até o terceiro com essa historinha deprimente, não duvido que continue indo a frente, ainda mais que, quando um filme é destinado ao lançamento apenas em DVD (como esta bomba) parece que aceitam qualquer coisa.

Para roteiros e filmes ruins existem sempre uma boa capa e um funcionário na locadora (ou próprio dono) disposto a lhe dizer que é excelente, afinal é com Van Damme porra!

Queima Esta Porra!

Não precisei nem comentar nada, meu pai antes mesmo do fim já estava bradando horrores. Nem a pancadaria vale a pena. A participação de seu grande ídolo Van Damme também é pífia e o desânimo e sensação de derrota que vi no seu rosto foi incrível. Na verdade acredito que ele ficou até triste de reunir todo mundo para ver algo tão ruim.

Assim que tudo terminou ele me pediu para destruir o DVD. Queimar, tocar fogo, jogar no lixo, qualquer coisa, menos ocupar espaço em nossa casa. Eu dei mole de não fazer um vídeo tocando fogo no DVD, iria ser épico sem dúvidas. De qualquer forma teve utilidade assistir a esta pérola, não só pela parte “família” de curtir este momento tão especial e divertido, mas também por conseguir mais um para a lista dos piores deste ano.

Related Posts with Thumbnails

Author: Marcio Melo

Analista de Sistemas, amante da sétima arte desde os tempos imemoriais e com muito sangue nerd fervilhando em veias hipertensas, fundou o Porra, Man! com o intuito de comentar sobre cinema de forma descomplicada e fácil de entender. Nas horas vagas torce prum time que nunca vence e mata monstros que não existem.

Share This Post On

13 Comments

  1. Man, tá ai um novo espaço aqui no portal. “Queima essa porra” muito bom, hein?

    Rapaz, como você conseguiu assistir isso? Meu herói.
    Esse um controle foi pela atuação digna de oscar?

    Post a Reply
  2. hahahaha
    “dvds de má procedência” haaha
    Esse aí eu pulo sem olhar.

    Post a Reply
  3. O primeiro Soldado Universal é bem legal, já o segundo é bizarro. Tava com curiosidade mórbida de ver esse, mas nem sabia que os caras eram coadjuvantes. Que mico!

    Post a Reply
  4. Uraí, como eu disse assiti pela oportunidade única de ver algo com meu pai, somente por isso hehehe.

    Rodrigo, faz bem.

    Ramon, na verdade Van Damme não seria bem um coadjuvante, ele fica tipo numa trama a parte ai depois é chamado, é ridiculo. Lundgren sim, aparece do nada, some logo, solta umas frase querendo imitar “Blade Runner”, trash.

    Gostei também do primeiro Soldado Universal, o segundo eu não vi e esse terceiro é realmente um lixo. Procure algo melhor pra fazer…

    Post a Reply
  5. kkkkkkkkkkkkkkkkkk não queria está na sua pele,desisti de van damme a séculos,atorzinho bobo!!

    Post a Reply
  6. Eu também tinha desistido Beto, mas me interessei em ver JCVD que ele fez e recebeu boas críticas!

    Post a Reply
  7. Como é que Andrew Scott (Lundgren) conseguiu voltar? Ele tinha sido fatiado por uma máquina de fazenda no 1.

    Post a Reply
  8. Rapaz, ele levanta da câmara lá acho que é um clone.

    Começa a filosofar igual aquele andróide do filme Blade Runner e não demora 15 minutos encerra sua incrível e importante participação.

    Post a Reply
  9. hahaha genial!! Não me surpreende que seu pai não goste de ver filmes com tipos desse…

    Post a Reply
  10. kkkkkkkkkkkk eca doido!
    esse filme é nojento!
    acabou com a historia dos anteriores!
    ops:péssima atuação de Van Damme!

    Post a Reply
  11. esse filme é um porra! man

    no 2 ele táva normal tinha uma filha uma esposa e no filme mesmo ele diz que o tal dilan que era o doutor da parada reverteu o processo e ele voltou ao normal
    mas nesse filme o cara estava reabilitando para a sociedade?n porra!man
    o cara já tinha se reabilitado tava tudo legal no 2 e tinha até uma familia agora vem com esse roteirinho de merda

    Post a Reply
    • Green, é realmente muito triste, além das atuações ruins, o roteiro é realmente péssimo.

      Post a Reply
  12. por incrível que possa parecer,eu também queimei o meu dvd desse filme,é tão ruim que eu com certeza conseguiria fazer um filme melhor,o Van Damme quase não aparece,o Dolph Lundgren na verdade paga é mico,tamanha a humilhação de fazer uma pontinha,a história(se é que tem alguma)é de péssima qualidade,nem as lutas salvam,eu não entendo como isso foi acontecer levando em conta que o primeiro filme é bastante agradavel e o segundo consegue quebrar um galho,mas esse é deprimente.merecia 5 estrelas negativas isso sim.

    Post a Reply

Trackbacks/Pingbacks

  1. Crítica - Os Mercenários (The Expendables) | Porra, man! - [...] bem os personagens. Os atores estão bem à vontade e até mesmo o grandalhão do Dolph Lundgren (Soldado Universal…

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.