A Onda (Die Welle)

A Onda (Die Welle, 2008/2009 – 107 min.)

Direção: Dennis Gansel.
Roteiro: Dennis Gansel baseado em obra de Todd Strasser.
Elenco: Jürgen Vogel, Frederick Lau, Max Riemelt, Jennifer Ulrich, Christiane Paul, Jacob Matschenz, Cristina do Rego, Elyas M’Barek
Gênero: Drama.

Sinopse: Professor propõe um experimento que explique na prática os mecanismos do fascismo. Em pouco tempo, seus alunos começam a propagar o poder da unidade e ameaçar os outros. Quando o jogo fica sério o professor decide interrompê-lo, mas aí já é tarde demais.

Obras baseadas em fatos reais sempre me trazem grande interesse, e a “A Onda (Die Welle)“, filme alemão de 2008 lançado por aqui ano passado, é baseado em uma experiência ocorrida durante uma aula/projeto de história realizado em 1967 na Califórnia que deu tanto o que falar que acabou gerando um livro, escrito por Todd Strasser, e também um curta metragem para a Tv em 1981. Este filme trata-se portanto de uma adaptação ‘atualizada’ deste acontecimento, e é mais uma ótima produção oriunda da alemanha.

Nesta versão conhecemos o professor Rainer Wenger (Jürgen Vogel) um professor do tipo ‘garotão’, moderno, que vai para o colégio lecionar com a camisa do Ramones e ouvindo “Rock´n´Roll High School“. Ele almejava lecionar a disciplina com o tema anarquia, mas lhe é imposto que ensine autocracia, por uma semana (que é o tempo da espécie de aula/seminário que está acontecendo no colégio).

Durante o início desta aula o tema nazismo surge e os alunos discutem como foi possível tudo aquilo acontecer. É aí que ele tem aidéia de ministrar sua aula de uma forma diferente. Ele decide mostrar na prática como se constitui o poder de massas numa autocracia, utilizando o poder pela disciplina para comandar a classe. Os alunos se sentem tão envolvidos e com tanto prazer em fazer parte de algo comum a todos que não demora muito e as coisas saem totalmente de controle.

Um dos problemas encontrados neste filme está no elenco que é composto de amadores, falta em alguns momentos uma interpretação mais caprichada. Só que a trama é bem envolvente e assustadora por ser uma adaptação de algo que aconteceu semelhante àquela forma. É realmente uma obra bastante interessante, e que mostra o quanto podemos nos alienar ou deixar de enxergar as coisas à nossa volta simplesmente por achar que todos ‘contra’ você estão errados e merecem ser ignorados ou punidos.

Não deixa também de ser um alerta e mostrar que sim, é possível atrocidades semelhantes ao nazismo ocorrem novamente, assim como aconteceu no colégio californiano em 1967. Na verdade, muita coisa assim continua acontecendo, os grupos neonazistas que ouvimos falar estão aí para provar exatamente isto que esta trágica experiência demonstrou a todos. Para quem gosta de filmes baseados em fatos reais e obras que nos levam à reflexão, é uma ótima pedida.

*Para quem ficou curioso e quiser saber mais sobre os eventos acontecidos em 1967 conhecido como “A Terceira Onda” é só ir no link abaixo no blog do Evandro Venancio:
http://wordpress.youjoomla.net/yousimplicity/
Related Posts with Thumbnails

Author: Marcio Melo

Analista de Sistemas, amante da sétima arte desde os tempos imemoriais e com muito sangue nerd fervilhando em veias hipertensas, fundou o Porra, Man! com o intuito de comentar sobre cinema de forma descomplicada e fácil de entender. Nas horas vagas torce prum time que nunca vence e mata monstros que não existem.

Share This Post On

22 Comments

  1. É, eu tinha ficado interessado em ver esse filme, mas acabei perdendo de ver no cinema.

    Post a Reply
  2. Estão falando muito bem desse filme, deve ser realmente bom, mas eu já vi o também alemão “A Experiencia”, e esse filme está me parecendo ser muuuuito semelhante. Para quem não conhece, “A Experiencia” é um filme fácil de achar nas locadoras, na capa temos o mesmo ator que fez “Corra Lola Corra” com uma silver tape na boca.

    Post a Reply
  3. O filme é bom, a atualização para os dias de hoje também, mas ele tem uma diferença básica do fato ocorrido e do filme para televisão de 81. É uma aula de autocracia e não de história simplesmente, o que o deixa ainda mais assustador. Como aqueles meninos não perceberam o que estavam fazendo? Isso complicou a resolução, que perdeu impacto em relação ao primeiro filme.

    P.S. Tentei comentar sem dar spoilers, espero que tenha sido entendida.

    Post a Reply
  4. É que aqui falaram que ele ia dar aula de Autocracia durante uma semana, em uma espécie de seminário, e ele era professor de história apenas, você tem razão, saber que na versão real ele era um “autocrata” é realmente assustador. Mas não vi esse documentário de 81.

    Valeu pela informação Amanda.

    Post a Reply
  5. Eu preciso conferir este, dois amigos me falaram muito bem e vi uma matéria sobre ele na TVE, belo post o seu, parabéns!

    Notei que não faço mais parte do hall de seus blogs amigos.

    Abraço

    ps: postei sobre um clássico dos anos 80, dá uma conferida.

    Post a Reply
  6. Cristiano, tirei porque tinha colocado o banner, mas vou colocar nas duas seções!

    Abração e veja o filme que é legal 🙂

    Post a Reply
  7. Porra Man,

    seu blog é interessante!

    Este filme ‘ A Onda’ já li em outros blogs, quero muito pegá-lo pra assistir, A premissa me pareceu interessante e o cinema contemporâneo da Alemanha tem se mostrado ótimo desde Tom Tykver.

    Abs!

    Post a Reply
  8. Rodrigo meu caro, muito obrigado pelo elogio.

    Quanto ao filme é interessante, claro, muito mais por ser baseado em um fato real “assustador” do que por seu elenco e tudo mais.

    Vale a pena!

    Abração

    Post a Reply
  9. Então, eu gostei do filme, até escrevi sobre ele… Mas achei pouco crível, debito na conta da direção que eu achei artificial…

    Post a Reply
  10. Olá Marcio Melo, tudo bem?

    Ótimo texto para este excelente filme.

    Não conhecia o teu blog, mas agora virei assinante do feed.

    Agradeço o link e a menção para o texto no meu blog.

    Abraços!

    Post a Reply
  11. Olá Evandro, fico feliz que tenha gostado e assinado o feed, estou assinando o seu também.

    O texto ficou ótimo para quem quiser saber mais sobre “os fatos reais” a respeito deste filme.

    Abraços

    Post a Reply
  12. Muito bom, por causa desse tópico peguei o filme pra ver e não me arrependi. Achei muito interessante a forma como recriaram os mesmos passos de uma autarquia como o Nazismo por exemplo e principalmente como a maioria fica facinada somente pelos lados positivos da coisa. Destaque para a fotografia que é excelente tbm…

    Post a Reply
  13. Pedro, fico feliz que a partir de uma indicação minha tenha visto o filme e gostado também.

    Grande abraço!

    Post a Reply
  14. Coloquei este filme pra baixar aqui, depois te falo o que achei dele, abraço

    ps: dá uma lida no meu argumento de um clássico lá no apimentário, ‘bonnie and clyde’.

    Post a Reply
  15. Achei a proposta do filme interessante, mas ao mesmo tempo achei que desqualificou a inteligência dos alunos. Não acho possível que a maioria não tenha notado que era só uma representação e nem entendi porque o professor não achou estranha a atitude de Tim. Foi tudo muito exagerado. As doutrinas autoritárias são embasadas em motivações mais reais, o que não existia na escola.

    Post a Reply
  16. Rafaela, o filme é baseado em um fato real, tudo aquilo aconteceu, então essa questão sua de “os alunos serem tapados” não tem fundamento.

    E Hitler tb alienou toda uma nação praticamente assim.

    Claro, o filme não é exatamente igual aos fatos reais, mas como adaptação tudo aquilo aconteceu de alguma forma.

    Abraços

    Post a Reply
  17. o que ele vai ensinar é autocracia nao autarquia

    Post a Reply
  18. Lolita, tem toda razão. Muito obrigado por apontar este meu erro. Corrigi já no texto!

    []´s

    Post a Reply
  19. olá
    gostei do filme, bem interessante mas achei que o final poderia contar as o uqe aconteceu com o professor

    bjus

    Post a Reply
  20. Paty, Maria, a intenção do filme foi mostrar um acontecimento real e apresentar como ainda é possível ou melhor, demonstrar como é que movimentos facistas podem surgir e se perpetuar e não contar uma saga de um professor que implantou algo louco em seus alunos.

    Post a Reply

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.