As Crônicas de Spiderwick (The Spiderwick Chronicles)
Direção: Mark Waters.
Roteiro: Karey Kirkpatrick, David Berenbaum e John Sayles adaptando os livros de Tony DiTerlizzi e Holly Black.
Lançamento: 2008.
Elenco:
Freddie Highmore, Sarah Bolger, Nick Nolte, Mary-Louise Parker, Joan Plowright, David Strathairn, Seth Rogen, Jordy Benattar.
Gênero: Aventura, Fantasia.
Tempo: 107 min.

Sinopse: Tendo se mudado para um antiga casa da família afastada da cidade com sua mãe (Mary-Louise Parker), os gêmeios Jared e Simon Grace (interpretados por Freddie Highmore) mais sua irmã Mallory Grace (Sarah Bolger), são transportados para um mundo mágico e entram em contato com fadas e outras diversas criaturas fantásticas.

Em meio a tantos filmes sendo produzidos através de livros de contos infantis, As Crônicas de Spiderwick, se destaca por ser um filme muito bem feito e altamente indicado para o público infanto-juvenil. Acabei indo conferir nos cinemas com meu irmão que está na idade ideal para o filme, mais por falta de opção do que outra coisa. Uma boa pedida para pais levarem seus filhos e assistirem um filme bastante agradável, muito diferente das idiotices que alguns pais ou irmãos mais velhos tem que aturar ao levar os pequenos ao cinema.

Não que ver Goblins sendo mortos por molho de tomate e sal, ou ainda duendes que só se acalmam tomando mel seja algo de um filme altamente inteligente, mas ele é tão bem feito e tem uma história tão agradável que acaba sendo um bom divertimento. Por trás de toda história de fantasia temos um conflito familiar de filhos envolvidos com separação de pais, mudança de moradia da cidade para uma casa no campo em ruínas, e todos os conflitos gerados a partir destes fatos. Intercalando ainda com algumas piadas e situações engraçadas.

Estranhamente meu último filme comentado, O Som do Coração, foi também estrelado pelo jovem Freddie Highmore. Aqui ele participa duplamente, já que ele faz os irmãos gêmeos. Um mais “pés no chão” e “pacifista” e outro mais revoltadinho, diferente do filme que citei anteriormente no qual ele fazia uma criança um tanto quanto abobalhada. Ele leva jeito mesmo para o cinema.

A história do filme se passa 80 anos depois que Arthur Spiderwick acabou conhecendo mais do que devia sobre o mundo mágico e as criaturas fantásticas que nele habitam, seres que só podem ser vistos caso ELES desejem. Depois de fazer um livro (Guia de Campo) com todos os segredos dos seres, um ser malvadão Mugarath (voz de Nick Nolte, no original é claro, uma vez que aqui só rola dublado), quer se apossar do livro para matar todo mundo, dominar o mundo, etc. Cabe aos jovens salvarem todos.


Falando assim fica até parecendo mais do mesmo não é? Só que o filme é bonzinho realmente. O problema, pelo menos para mim que já passei um pouquinho dos 12-14 anos, é que ele tem uma temática muito infantil. Eu adoro filmes de fantasia, só que esse ficou um pouco além do que eu fiquei acostumado a assistir, como o excelente “Labirinto do Fauno” e o muito legal “Ponte para Terabítia“.

As Crônicas de Spiderwick se assemelha um pouco com “Ponte para Terabítia”, mas se tivesse que escolher entre os dois ficaria com o segundo, pois ele é um filme mais adulto e com uma história até forte, não sei nem se é tão recomendado para o público mais infantil. O Labirinto do Fauno então… Se eu o visse quando fosse mais novo acho que ficaria sem dormir umas 5 noites.

Se você é pai ou mãe leve seu filho para assistir, você não vai se arrepender. Acostumem eles a assistirem filmes deste nível e não Xuxa e os Duendes 15 ou Didi e não sei mais o quê. Se você assim como eu gosta de filmes de fantasia, só vá assistir se estiver disposto a ver um filme que devidamente não é para sua idade, apesar de ser um bom filme.

Related Posts with Thumbnails