Onde os Fracos Não Tem Vez (No Country for Old Men)

Onde os Fracos Não Tem Vez (No Country For Old Men)

Direção: Ethan Coen e Joel Coen.
Roteiro: Ethan Coen e Joel Coen adaptando livro de Cormac McCarthy.
Lançamento: 2007 (EUA) / 2008 (Brasil)
Elenco: Tommy Lee Jones, Javier Bardem, Josh Brolin, Woody Harrelson, Kelly Macdonald
Gênero: Drama / Suspense
Tempo: 122 min.

Sinopse: Enquanto caçava, Llewelyn Moss (Josh Brolin) encontra entre traficantes mortos, em uma verdadeira cena de guerra, uma maleta contendo 2 milhões de dólares. Ele decide simplesmente ficar com o dinheiro sem avisar à polícia. Isso acaba o colocando na mira de um assassino psicopata (Javier Bardem) que, logicamente, quer recuperar o dinheiro. Enquanto Moss tenta se manter longe da mira do assassino, o chefe de polícia Ed Tom Bell (Tommy Lee Jones) fica encarregado do caso e tenta entender o mundo em que vive atualmente no meio desse turbilhão.

Vencedor de 4 Oscars, incluindo o principal de melhor filme, Onde os Fracos Não Tem Vez é daqueles filmes com um final de lhe deixar paralisado por um bom tempo, até você assimilar o que realmente quiseram lhe mostrar. Se você é daqueles que odeiam filmes com finais nada usuais e só gostam daqueles filmes do tipo, Zé roubou um carro a polícia corre atrás e prende, não assista de forma alguma este filme, já vi diversos acessos de fúria pela internet com os comentários de pessoas que o assistiram e não gostaram nem um pouco do seu final. Tem muita gente querendo o dinheiro de volta, acreditem.

Antes de tudo tenho que falar novamente sobre a escolha do título aqui no Brasil. Já comentei em alguns filmes no ano passado sobre este assunto, porquê continua assim eu não sei. Parece que quem viu o filme entendeu errado, não sei, ou talvez achou que fosse ofensa traduzir de forma mais fiel para “Onde os Velhos Não Tem Vez”. Faria mais sentido.

Josh Brolin interpreta Llewelyn Moss, um sujeito inocente o suficiente para achar que poderia escapar tranquilamente com uma valise com 2 milhões de dólares, oriunda do tráfico de drogas. Para piorar sua situação, na sua cola está Anton Chigurh interpretado espetacularmente por Javier Bardem (assista também com ele Mar Adentro, sensacional). Chigurh não é um assassino qualquer atrás de reaver o dinheiro, é simplesmente um doente psicopata sem nenhum escrúpulo, sem nenhuma piedade e totalmente insano ao ponto de, quando está muito benevolente, lhe dar a chance de sobreviver se acertar no cara ou coroa. Sem contar que ele mata na maioria das vezes com um tubo de ar comprimido.

Ao mesmo tempo em que Moss tenta sair da mira de Chigurh e também manter sua esposa (Kelly Macdonald) longe de toda a confusão, o “Xerife” (Chefe de Polícia) Ed Tom Bell (Tommy Lee Jones) fica querendo muito mais ajudar Moss, por ser também do Texas como ele e burro o bastante para se meter nessa confusão, do que recuperar o tal dinheiro e prender os bandidos.

Como eu disse no início deste post, o final do filme pode ser surpreendente para alguns, para outros (como eu) ele é surpreendente apenas por alguns instantes. Você então percebe que a história principal do filme não é apenas a do carinha fugindo com a grana do psicopata louco e sem piedade, mas também de Tom Bell, que se vê como um homem velho demais para os tempos atuais. Como é que as coisas mudaram tanto sem ele perceber? Toda essa violência, essa ganância. Tudo o que ele queria era apenas que o tempo parasse, ou então que as coisas voltassem a ser como antigamente.

Related Posts with Thumbnails

Author: Marcio Melo

Analista de Sistemas, amante da sétima arte desde os tempos imemoriais e com muito sangue nerd fervilhando em veias hipertensas, fundou o Porra, Man! com o intuito de comentar sobre cinema de forma descomplicada e fácil de entender. Nas horas vagas torce prum time que nunca vence e mata monstros que não existem.

Share This Post On

8 Comments

  1. Entendeu? Se o cara n é maluquinho, ele é o que? Hehehe dodói da cabeça ele. 😛

    Pois é, Bablo… o cisco no olhou foi dose. Mas, já estou melhor, graças a Deus!

    Beijocas!

    Post a Reply
  2. Essa teoria do “maluquinho” de Tarcila é ótima.
    hehehehehehe

    É man, esse filme é realmente muito bom. Acho que vc ficou de má vontade com “sangue negro”. Parece que seu gosto de filmes mudou de uma hora pra outra.

    Vc tem que ver os outros filmes dos irmãos Coen agora. Pra começar eu recomendo “O Grande Lebowski”, esse eu tenho em dvd em casa.

    Post a Reply
  3. Leve fé rei, vou pegar esse e mais 200 na sua casa hehehe, vou adicioná-lo em minha lista de filmes.

    Talvez mudou um pouco, mas continuo não achando excelente Sangue Negro, como eu disse é bom eu gostei, mas nao achei sensacional.

    E não mudou tanto pois continuo achando, por exemplo, transformers sensacional hahaha.

    Post a Reply
  4. uma verdadeira bosta esse filme!
    eu não entendi merda nenhuma!
    não resolveu nada!
    o cara não pegou o dinheiro de volta!
    fez aquelas merdas todinha pra nada!
    pra no final quebrar o braço e ir pra não sei aonde!
    vai ver se eu to na esquina!

    Post a Reply
  5. Thiago, vou repetir as palavras do meu parágrafo final:

    “Você então percebe que a história principal do filme não é apenas a do carinha fugindo com a grana do psicopata louco e sem piedade, mas também de Tom Bell, que se vê como um homem velho demais para os tempos atuais. Como é que as coisas mudaram tanto sem ele perceber? Toda essa violência, essa ganância. Tudo o que ele queria era apenas que o tempo parasse, ou então que as coisas voltassem a ser como antigamente.”

    O título do filme original seria algo como “Náo é País para VELHOS” ou poderia ser também “Onde os VELHOS não tem vez” e faria até mais sentido.

    Quando você assiste muitos filmes, são estes com finais abertos que agradam mais.

    Abraços

    Post a Reply
  6. mais que merda viu!

    Post a Reply
  7. Mais um a achar esse filme uma merda.
    Achei que tinha algo a mais além da mensagem de que os tempos mudaram e que eu tinha sido tapado demais pra notar. Então entrei aqui e em outras críticas, mas vi que era só aquilo mesmo.

    Pelo menos a atuação do cara que recebeu o Oscar foi realmente boa e os métodos de seu personagem também.

    Sangue Negro está na minha lista de filmes a ver, mas duvido que possa ser pior que esse.

    Senhores do Crime foi do mesmo ano e sequer concorreu ao Oscar, tsc tsc.

    Post a Reply
    • Otto, Deus, lá em cima em toda sua bondosa piedade irá lhe perdoar por essas palavras.

      Post a Reply

Trackbacks/Pingbacks

  1. Queime Depois de Ler (Burn After Reading) | Porra, man! - [...] passado os irmãos Coen levaram o Oscar de melhor direção e melhor filme com o excelente “Onde os Fracos…
  2. Crítica do filme A Estrada (The Road) | Porra, man! - [...] de livro homônimo de Cormac McCarthy (autor de Onde os Fracos Não Tem Vez), “A Estrada (The Road)” segue…
  3. Crítica: Comer Rezar Amar com Julia Roberts e Javier Bardem | Porra, man! - [...] bom, desde Julia Roberts até Viola Davis todos trabalham direitinho. Só mesmo Javier Bardem (Onde os Fracos Não Tem…
  4. Jonah Hex, Crítica do Filme. | Porra, man! - [...] trama conhecemos a história de Jonah Hex (Josh Brolin, Onde os Fracos não Tem Vez) que carrega consigo uma…
  5. Homens de Preto 3 (Men in Black 3) | Porra, man! - [...] de uma prisão lunar. Em busca de vingança de quem o colocou lá, o agente K (Tommy Lee Jones,…
  6. Fear The Walking Dead (S01E05) - Cobalt - POCILGA - […] chave de ouro, uma arma pneumática (que já foi utilizada de forma maestral no excelente “Onde Os Fracos Não…
  7. Penny Dreadful faz American Horror Story parecer Glee - […] inteligentes, roteiros bem adaptados ou originais, os apaixonados pelos irmãos Cohen (Fargo, Onde os Fracos Não Tem Vez) ou…

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.